segunda, 18 de janeiro de 2021

Saúde
Compartilhar:

Obesidade aumenta 56% em João Pessoa e médicos alertam para problemas na saúde

Katiana Ramos / 17 de abril de 2017
Foto: Rafael Passos
 

O percentual da população residente em João Pessoa que sofre com obesidade aumentou 56,12% nos últimos 10 anos. Além disso, também aumentaram os quantitativos de pessoas com excesso de peso, diabetes e hipertensão na última década. As informações integram a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizada pelo Ministério da Saúde e divulgada ontem.

O resultado preocupante de João Pessoa, cujo percentual de pessoas com obesidade atingiu 21,7%, está no mesmo patamar da maior parte das capitais do País, alvos da consulta do MS. Conforme a pesquisa, de 2006 a 2016, o percentual de pessoas com obesidade cresceu 60% no Brasil. Com relação ao excesso de peso, João Pessoa apresentou o percentual de 56,6% no ano passado e divide com Natal (RN) o pior resultado do Nordeste.

O comerciante Gilson Pereira, de 52 anos, conhece bem os transtornos ocasionados pela obesidade, como a hipertensão, que desenvolveu há 10 anos. “Tive um desmaio e uma dor de cabeça muito forte. Aí no hospital descobri que era hipertenso. Desde então, tomo remédio para controlar a pressão duas vezes ao dia e evito colocar sal na alimentação”, contou o comerciante. Ele revelou ainda que começou a ficar com sobrepeso ainda na adolescência depois de tomar 30 doses de um medicamento para ganhar peso.

A hipertensão que afeta o comerciante Gilson Pereira também aumentou entre os moradores de João Pessoa. De acordo com a Vigitel, o percentual de hipertensos na cidade alcançou 25,6% no ano passado, contra 23,9%, em 2006. Já o percentual de diabéticos, em 2016, foi de 7,2%.

ALERTA

A nutricionista da Hapvida, Iraci Sabino, lembra que a má alimentação e o sedentarismo são os principais vilões do aparecimento do excesso de peso e da obesidade. Ela revela que essas situações estão cada vez mais comuns entre crianças e alerta aos pais para os cuidados com a alimentação dos filhos.

“Está cada vez mais comum crianças com quadro de hipertensão, diabetes do tipo 2 (que é a adquirida), taxas de colesterol e triglicerídios elevadas. Tudo isso se deve a má alimentação, na maior parte das vezes. Daqui dez anos, se não forem cuidadas, essas crianças serão adultos com problemas de saúde sérios e até irreversíveis”, frisou a nutricionista.

Pacientes têm acompanhamento

A coordenadora de Doenças Crônicas da Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, Ana de Lourdes Oliveira, informou que as equipes que atuam na Atenção Básica, nas Unidades de Saúde da Família da capital e ainda nos Centros de Atenção Integral a Saúde (Cais), localizados nos bairros de Mangabeira, Cristo e Jaguaribe.

“O atendimento a esses pacientes é feito na Atenção Básica e nos Núcleos de Saúde da Família, que dispõem de nutricionistas e educadores físicos. Se for preciso, o paciente é encaminhado para outros especialistas, como cardiologistas e endocrinologistas. No Cais de Jaguaribe temos o atendimento específico para os pré-diabéticos”, explicou Ana de Lourdes.

 

Relacionadas