sábado, 26 de maio de 2018
Saúde
Compartilhar:

Médicos não se entendem sobre prevenção ao câncer

Lucilene Meireles / 11 de novembro de 2015
Foto: Divulgação
Fazer ou não o rastreamento do câncer de próstata? Eis a questão, e nem os médicos sem entendem quanto à real necessidade. A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) é contra, apesar de defender o cuidado com a saúde e orientar que é preciso ter acompanhamento médico.

O argumento é a alta frequência de resultados falso-positivos, que levam a biópsias desnecessárias, capazes de comprometer a saúde. A Sociedade Brasileira de Urologia - secção Paraíba - admite que o processo ainda é controverso, mas que é uma irresponsabilidade dizer que não precisa rastrear.

Antônio Augusto Dall'Agnol Modesto, médico de Família e Comunidade, membro da SBMFC, publicou uma nota na página da SBMFC sobre o assunto. Ele explicou que as recomendações a respeito do não rastreamento são fruto de ensaios clínicos realizados nos Estados Unidos e em sete países da Europa (Suécia, Bélgica, Holanda, Itália, Finlândia, Espanha e Suíça). Não há pesquisas nacionais.

Relacionadas