domingo, 17 de janeiro de 2021

Saúde
Compartilhar:

Ministério lança metas contra a obesidade; na Paraíba 53,5% da população está acima do peso

Gabriel Botto / 15 de março de 2017
Foto: Arquivo
O Ministério da Saúde apresentou nesta terça-feira (14), durante o Encontro Regional para Enfrentamento da Obesidade Infantil, em Brasília, metas para frear o crescimento do excesso de peso no país. Na Paraíba, de acordo com o IBGE, 53,5% da população tem com excesso de peso. A média nacional é 56,9%. Em dez anos, pelo menos 490 morreram vítimas de doenças relacionadas ao problema no Estado.

Em entrevista coletiva, o ministro da saúde Ricardo Barros disse que o principal desafio será mudar a alimentação das pessoas. “Nosso desafio é incentivar as pessoas a adotarem uma alimentação correta: descascar mais e desembalar menos. E é preciso ensinar desde cedo a manipular os alimentos. As crianças hoje, não tem oportunidade de acompanhar a preparação dos alimentos e aprender a cozinhá-los. Além disso, o sedentarismo é alto e tem muito haver com a obesidade. Precisamos mudar os hábitos do dia a dia para enfrentar o desafio da obesidade”, afirmou.

As metas do Ministério da Saúde são deter o crescimento da obesidade na população adulta até 2019, por meio de políticas intersetoriais de saúde e segurança alimentar e nutricional; reduzir o consumo regular de refrigerante e suco artificial em pelo menos 30% na população adulta, até 2019; e ampliar em no mínimo de 17,8% o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente até 2019.



Paraíba

No estado, dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade da Secretaria de Estado da Saúde (SIM/SES) mostram que em um período de dez anos (de 2005 a 2015), foram computadas pelo menos 490 mortes decorrentes da obesidade, o que alerta a população para as novas medidas do Ministério da Saúde, conscientizando os pais para que eduquem seus filhos para terem uma alimentação adequada, evitando problemas futuros.

A ingestão de alimentos ultraprocessados começa já nos primeiros anos de vida. A Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (2006) sinaliza que 40,5% das crianças menores de cinco anos consomem refrigerante com frequência. Enquanto dados da Pesquisa Nacional de Saúde (2013) apontam que 60,8% das crianças menores de 2 anos comem biscoitos ou bolachas recheadas. O resultado do mau hábito alimentar é que uma em cada três crianças brasileiras apresentam excesso de peso (POF 2008/2009).

Na Paraíba, a Lei nº 10.431 que proíbe a venda de refrigerantes em todas as escolas de ensino infantil, fundamental e médio já vigora desde 2015, evitando que as crianças e jovens criem o hábito de consumir estas bebidas desde cedo. A prática além de conscientizar os alunos, alerta aos pais para que não ofereçam nem incentivem seus filhos a consumirem essas bebidas.

Relacionadas