sábado, 23 de novembro de 2019
Saúde
Compartilhar:

Mais Médicos tem 128 desistências na PB e Campina abre seleção

Lucilene Meireles / 13 de abril de 2019
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Na Paraíba, 128 médicos desistiram do ‘Mais Médicos’, do Governo Federal e, para suprir esta necessidade, o município de Campina Grande é o primeiro a iniciar seleção para contratação de profissionais para as Unidades Básicas de Saúde (UBSs). No Brasil, conforme o Ministério da Saúde, até o início de abril, 1.052 profissionais brasileiros deixaram o Mais Médicos. Só na Paraíba, onde há mais de 70 vagas abertas, atuam hoje no programa, 306 médicos, de acordo com o Ministério da Saúde.

A Prefeitura de Campina Grande, município que conta com 28 médicos do programa, anunciou ontem o processo seletivo para contratação de profissionais para atendimentos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Saúde e Policlínicas. Segundo a Secretaria de Saúde, 15 locais estão sem profissionais.

Em São José da Mata, a dona de casa Maria José de Oliveira, 62 anos, espera a chegada dos médicos. “Eu nem lembro quando foi a última vez que eu consegui me consultar e eu estou na idade de ter sempre acompanhamento”, disse.

O diretor de Vigilância em Saúde, Miguel Dantas, explicou que este é um cargo que enfrenta problemas sempre para manter a prestação do serviço.

Para sanar estes problemas, a Secretaria de Saúde implantou o Programa de Residência Médica que, entre outras especialidades, abrange a área de Medicina da Comunidade e da Família. “Desde 2013 estamos formando os profissionais que saem do curso de Medicina da UFCG (Universidade Federal de Campina Grande), justamente para que possam suprir a nossa demanda de atendimento, mas ainda assim temos essa dificuldade eventualmente”, explicou diretor de Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde, Eurivaldo Araújo.

A seleção realizada pela PMCG é para contratação imediata e os interessados devem procurar a sede da Secretaria, na avenida Assis Chateaubriand, S/N, na Liberdade. Os interessados nas vagas serão contratados instantaneamente e, imediatamente, passam a atender. São, ao todo, 107 equipes de Estratégia da Saúde da Família.

Vagas abertas na PB

Em relação às vagas do programa Mais Médicos, mais de 40 municípios paraibanos possuem vagas, aguardando publicação de novos editais. “São vagas em aberto, mas não de cooperado. As 75 vagas existem porque não saiu mais edital. O último foi para preenchimento das vagas deles”, explicou Rosiani Palmeira Videres, gerente operacional de Atenção Básica em Saúde, da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

A chegada de mais profissionais do programa só acontecerá quando novos editais forem publicados. Porém, a gerente lembrou que ainda não há previsão para isso acontecer. Por outro lado, conforme Rosiani Videres, as vagas que eram ocupadas por médicos cooperados cubanos foram preenchidas.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que irá lançar novo edital para preenchimento das vagas desocupadas nas áreas mais vulneráveis do país, destacando que 1.385 médicos brasileiros formados fora do país finalizaram o módulo de acolhimento no final de março e estão iniciando as atividades nos municípios. Na Paraíba, conforme o Ministério, o programa foi de adesão voluntária por parte do gestor local. Sendo assim, 142 municípios paraibanos fizeram adesão à época.

Ministério publica portaria



O Ministério da Saúde publicou uma portaria, na última sexta-feira, estendendo para seis meses o prazo de pagamento da verba de custeio repassada às Unidades Básicas de Saúde que perderam profissionais do Mais Médicos. A regra anterior, conforme o comunicado, cortava o repasse para o posto se ele ficasse sem médico por mais do que dois meses.

Com a portaria, mesmo sem o médico, a Unidade Básica conseguirá receber a verba de custeio e outros financiamentos federais. Essa medida foi pedida pelos estados e municípios na reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT).

Renovação

A renovação dos profissionais no programa vem sendo mantida pelo Ministério da Saúde apenas em cidades mais vulneráveis, em geral pequenas, além dos distritos sanitários indígenas. Nesses locais, além de pagar o salário dos médicos, cerca de R$ 11,8 mil mensais, a Pasta repassa para as equipes que contam com esses profissionais mais R$ 4 mil para custeio.

Essas localidades que perderam profissionais do Mais Médicos poderão utilizar os recursos também para contratar seus próprios médicos. Um novo programa está sendo elaborado para ampliar os serviços de atenção básica à saúde.

O Ministério da Saúde lançará o novo programa dentro de algumas semanas.

Em números



46 Municípios desassistidos em relação ao programa Mais Médicos. Entre eles estão Campina Grande, João Pessoa, Itaporanga, Pombal, Cacimba de Dentro e Nova Floresta.

75 É a quantidade de vagas abertas nestes 46 municípios.

129 Cidades paraibanas que participam do programa Mais Médicos, além de 5 distritos sanitários indígenas.

UBSs sem médicos



Campina Grande 

João Rique Equipe II - Em Licença Maternidade

Raimundo Carneiro Equipe II -sem médico

São Januário II - sem médico

Mutirão Equipe I - sem médico

Palmeira - sem médico

Jardim Continental - sem médico

Aluísio Salviano de Farias - sem médico

Anailda de Carvalho Marinho - sem médico

Cidades 2 - sem médico

Catingueira 1 - sem médico

Malvinas I Equipe I - sem médico

São José da Mata

Pardal - sem medico

Ressurreição - sem médico

Ramadinha II - sem médico

Relacionadas