quinta, 26 de novembro de 2020

Saúde
Compartilhar:

Guerra contra o Aedes: PB se destaca nas visitas a imóveis, mas ainda está longe da meta

Rammom Monte / 22 de janeiro de 2016
Foto: Divulgação
A Paraíba foi o estado do Brasil que teve, em percentuais, o maior número de imóveis visitados no combate ao mosquito Aedes aegypti, apesar de não ter atingido nem 50% da meta estipulada. Ao todo, 409.002 domicílios paraibanos receberam a visita para eliminação dos criadouros do mosquito e orientação sobre os cuidados de prevenção, o que representa um percentual de 49,29%.

Em todo o País foram mais de 7,4 milhões de residências atendidas. Esse número representa 15,2% dos 49,2 milhões domicílios urbanos, de acordo com o primeiro balanço da Sala Nacional de Coordenação e Controle (SNCC) para combate ao Aedes aegypti e enfrentamento à microcefalia.

Além da Paraíba, o Rio de Janeiro, com 30,15% dos imóveis visitados, e Sergipe, com 28,13%, foram os outros dois estados que tiveram a maior cobertura no combate ao mosquito. Oito estados ainda não enviaram dados relativos às visitas já realizadas: Amazonas, Roraima, Alagoas, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Para as visitas domiciliares, junto com os Agentes Comunitários de Endemias, o Exército Brasileiro disponibilizou 220 homens para os municípios de João Pessoa, Cabedelo, Santa Rita, Bayeux e Campina Grande. Já do Corpo de Bombeiros são 150 homens distribuídos nos municípios do Conde, Alhandra e nas regiões de Campina Grande, Guarabira e Sertão.

O secretário-executivo substituto do Ministério da Saúde, Neilton Oliveira, explicou que o governo federal está trabalhando de forma articulada, com o envolvimento de diversos setores, para o enfrentamento ao Aedes. Ele destacou, ainda, a importância de esclarecer a população sobre a necessidade permanente do combate ao mosquito.

“Nessas visitas, identificamos 3% dos imóveis com focos do mosquito. A meta é reduzirmos esse índice de infestação para menos de 1% em todos os municípios brasileiros. Isso demonstra que não seremos vitoriosos se não informarmos claramente à população e mobilizarmos a sociedade para eliminar o Aedes. A prioridade é não deixar que ele nasça”, alerta Oliveira.

Microcefalia relacionada ao vírus zika

Até o dia 20 de janeiro foram registrados 665 casos suspeitos de microcefalia relacionada ao vírus zika. São 13 os casos de microcefalia já confirmados com exame de imagem apresentando alteração. Outros 604 estão sob investigação. Nenhum deles teve amostra positiva para o vírus zika, ainda. Quarenta e oito foram descartados.



  • 15.132 imóveis visitados em Santa Rita


  • 3.147 imóveis não receberam a visita das equipes por estarem fechados


  • 39.500 imóveis  visitados em Bayeux


  • 4.186 imóveis não receberam a visita das equipes por estarem fechados




 

Relacionadas