sexta, 18 de setembro de 2020

Saúde
Compartilhar:

Especialista dá dicas de como evitar doenças com aumento da temperatura

Da Redação com assessoria / 06 de outubro de 2016
Foto: Rafael Passos
Com o verão chegando e o aumento da temperatura surge uma série de problemas de saúde que vão desde uma simples desidratação até doenças mais graves como hepatite A e câncer de pele. Para se prevenir, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) deu de dicas de como aproveitar o verão sem descuidar da saúde.

Quem mais sofre com o calor são as crianças e os idosos, já que ambos necessitam de cuidados especiais e muitas vezes dependem de cuidadores. A desidratação é um dos problemas mais comuns. No caso de bebês e crianças porque precisa que alguém dê a eles a bebida. Já no caso dos idosos eles perdem o mecanismo da sede, principal alerta da desidratação. Portanto, é sempre importante lembrá-los de ingerir líquidos.

O médico da Unidade de Saúde da Família (USF), no bairro do Castelo Branco I, Esonilson Siqueira Alves dá algumas dicas de como se prevenir das doenças de verão. “Evitar exposição excessiva à luz do sol, mesmo na sombra, usar roupas leves, evitar roupas de tecidos sintéticos, beber muita água, usar filtro solar próprio para a idade. Manter os ambientes com boa ventilação e evitar aglomerações. Também é importante lembrar que piscinas e praias muito cheias de gente podem transmitir mais facilmente algumas micoses e outras doenças de pele”, alerta.

Ele ainda lembra que a se deve ter muito cuidado na manipulação dos alimentos. “A intoxicação alimentar é um problema recorrente. Com aumento do calor os alimentos tendem a estragar com maior facilidade e rapidez. É necessário ter muito cuidado na manipulação e conservação dos alimentos. Lavar bem frutas e verduras, antes de utilizá-las. Usar sempre alimentos frescos, preparados, de preferência na hora, ou conservados adequadamente em geladeira. Higienizar rigorosamente pratos, talheres e mamadeiras e usar sempre água filtrada”, afirmou.

 As doenças mais comuns que surgem com o aumento da temperatura são:

Desidratação - devido à diarreia e vômitos;

Intoxicação alimentar - por mal conservação de alimentos, exposição a moscas, formigas, e outros agentes, somados à higiene precária, considerando que o calor favorece a proliferação de bactérias, produzindo as condições necessárias para complicações digestivas, às vezes graves, para o ser humano;

Micoses – as condições ideais para as micoses estão na presença do calor e da umidade. Roupas coladas e sintéticas, nos contatos em banhos públicos e usos de vasos sanitários comunitários;

Insolação e queimaduras solares – exposição prolongada a ambientes quentes e secos, especialmente à luz solar. Pode provocar vômitos, febre, tonturas, mal-estar geral, aumento do pulso e vermelhidão na pele;

Bicho Geográfico (Toxocaríase) – provocado pela larva migrans, encontrado nas fezes do cachorro e do gato (toxocara canis e cati), que pode penetrar na pele (fazendo um pequeno “caminho”) e também invadir órgãos internos;

Brotoejas – erupções vermelhas que coçam e irritam principalmente as crianças pequenas expostas ao calor;

Fitodermatoses – manchas vermelhas, inicialmente, que logo se tornam escuras, associadas à manipulação de frutas cítricas (sumo de limões e laranjas) e exposição simultânea à luz do sol;

Otites – inflamações e infecções no canal auditivo causado por água de piscina ou do mar;

Conjuntivites – infecção bacteriana dos olhos causada por exposição às aguas contaminadas de piscinas e do mar; Também irritação por exposição ao cloro.

Dengue – o calor, somado à umidade das chuvas, estimula a postura dos ovos do mosquito da dengue (Aedes aegypti) por isso traz um risco maior para se contrair esta doença e outras transmitidas pelo mosquito.

Câncer de Pele – a exposição excessiva à luz do sol entre 10 e 16 horas pode favorecer o surgimento de CA de pele. Aparecem quase sempre em regiões mais expostas ao sol, como face, pescoço, nariz, lábios, orelhas, couro cabeludo, ombros e costas. Os mais comuns são o CBC (basocelular), os CEC (espinocelular) e os menos comuns, embora sejam os mais letais (que produzem maior mortalidade), são os Melanomas. Geralmente são sinais e verrugas persistentes que podem apresentar coceira e sangramento e surgem 2 ou três meses após exposição ao sol;

Hepatite A – Uma virose que produz icterícia (amarelão nos olhos e pele) e compromete o fígado, aumentando seu tamanho, produzindo dores abdominais, vômitos e prostração. Pode se tornar grave se não cuidada a tempo.

Relacionadas