quinta, 18 de julho de 2019
Saúde
Compartilhar:

Em 10 anos, 9.919 pessoas morreram na PB por doenças causadas pelo vício de fumar

Ainoã Geminiano / 31 de maio de 2019
Foto: Assuero lima
Nos últimos dez anos, 24.684 pessoas morreram vítimas de câncer de brônquios ou pulmão, enfisema pulmonar ou infarto agudo do miocárdio, na Paraíba. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 94% dos casos de câncer de brônquio e pulmão, 85% dos casos de enfisema e 30% dos infartos, são provocados pelo cigarro.

Aplicando esses percentuais ao grupo de mortos por cada uma das três doenças, a conclusão é que, do total de óbitos na década, 9.919 pessoas foram vítimas do cigarro. As doenças e mortes provocadas pelo tabagismo estarão no centro dos debates no dia de hoje, 31 de maio, escolhido pela OMS como Dia Mundial sem Tabaco.

Segundo o pneumologista Sebastião Costa, o comprometimento da saúde do fumante acontece de forma mais rápida ou mais lentar de acordo com a quantidade de cigarros fumados por dia e o tempo de tabagismo. “O cigarro tem 60 substâncias cancerígenas e quanto mais a pessoa ingerir essas substâncias, mais risco ela está correndo. Em cada 100 casos de pessoas com câncer de pulmão, 90 são fumantes ativos e quatro são fumantes passivos. Pessoas que não querem fumar, mas estão perto de quem fuma e acabam se tornando vítimas”, destacou.

O médico também enfatiza a influência do cigarro nos casos de enfisema pulmonar. “As substâncias do cigarro criam bolhas no tecido muscular do pulmão. Onde há essas bolhas, o oxigênio não chega, o que resulta em insuficiência respiratória. A pessoa dá três quatro passos e já fica cansada. É também uma doença grave e que provoca muitas mortes”, afirmou. A nicotina também tem forte influência na ocorrência de infarto.

O pneumologista conclui dizendo que são necessários cinco anos para que as artérias de um ex-fumante voltem à capacidade normal de irrigação do coração. “A pessoa que para de fumar hoje, só estará livre do risco de desenvolver enfisema pulmonar daqui a 15 anos e do risco de câncer de pulmão e brônquios, ela só fica livre 20 anos depois de deixar o cigarro”, finalizou.

Busto de Tamandaré. Para marcar o Dia Mundial de Combate ao Fumo, a Associação Médica da Paraíba, em parceria com a Sociedade Paraibana de Pneumologia da PB, Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, Conselho Regional de Medicina (CRM/PB), LIGA acadêmica de Pneumologia, Sociedade de Cardiologia, além das secretarias de Estado da Saúde, de Estado Educação, Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa (SMS), Agevisa e alguns planos de saúde suplementar, farão uma ação de saúde no Busto de Tamandaré, que fica localizado na praia de Cabo Branco, em João Pessoa.

Entre 6h e 9h da manhã, serão oferecidos serviços de teste de glicemia, aferição de pressão arterial, avaliação Índice de Massa Corporal (IMC), monoximetria (exame que avalia dosagem de monóxido de carbono no pulmão de fumantes, fumantes passivos), espirometria (que detecta asma brônquica, enfisema e bronquite), teste de Fargestrom (que avalia o grau de dependência à nicotina), alongamento e aeróbica com o grupo joão pessoa vida saudável, atividades físicas como tai-chi-chuan e distribuição de material educativo.

Fundação. A Associação Médica da Paraíba (AMB) celebra 95 anos nesta sexta-feira. Para festejar a data, os associados vão promover um jantar, na casa de recepções Sonho Doce, no bairro de Tambiá, às 20h.



Meio milhão de fumantes



Dados divulgados ontem pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), baseado em estimativas do IBGE, apontam que, na Paraíba, existem quase meio milhão de fumantes ativos. São 468.596 fumantes, dos quais 11,5% (92.197) estão em João Pessoa. Em 2019, a SES já registrou 213 mortes de pacientes vítimas de cânceres de laringe, boca, faringe e pulmões, que estão relacionados ao fumo.

 

Relacionadas