quarta, 17 de outubro de 2018
Saúde
Compartilhar:

Criança morre de calazar em Campina Grande

Wênia Bandeira / 16 de fevereiro de 2018
Foto: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CONCEIÇÃO
O garoto Emanoel Diniz Martins, dois anos, passou cerca de um mês com febre constante e começou a reclamar de cansaço. A família do menino decidiu levá-lo ao Hospital e Maternidade Calula Leite, na cidade de Conceição, a 482 quilômetros de distância de João Pessoa, para saber o que estava acontecendo com a criança que não queria sair da cama. Ele logo foi transferido para Campina Grande, onde foi diagnosticado com leishmaniose visceral, conhecido popularmente como calazar, e morreu na noite de quarta-feira. A prefeitura do município informou que já iniciou os trabalhos de prevenção.

Emanoel foi atendido no Hospital Universitário Alcides Carneiro (HUAC), onde ficou internado por 12 dias, dez deles na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O diretor geral do hospital, Homero Rodrigues, explicou que ele já chegou com o fígado comprometido. “Se a pessoa apresentou febre e fraqueza, precisa encaminhar para cuidados o mais rápido possível”, falou.

O fígado da criança cresceu em razão da injeção de protozoários que se proliferaram dentro do fígado e comprimiu os outros órgãos. A doença é transmitida pela picada do mosquito palha, que contamina pessoas e animais em sequência.

De acordo com Homero, este mosquito existe em lugar onde tem muito lixo, casas de taipa, de baixa condição social. “É uma doença da pobreza”, completou.

A doença é mais comumente encontrada em cachorros de rua que, quando contaminados, apresentam unhas muito crescidas, sem cílios, corpo muito magro e com barriga grande.

Uma recomendação foi encaminhada a secretaria de saúde municipal de Conceição quando Emanoel foi diagnosticado. Foram feitas coletas de sangue de cachorros de rua ontem na cidade, segundo informou a secretaria Magnady Lavor.

“Assim que fomos notificados a gente comunicou ao Estado solicitando dedetização e o município anualmente faz uma campanha, recolhendo os animais e fazendo testes”, afirmou.

A última campanha na cidade havia sido feita em abril de 2017, quando todos os animais encontrados com a doença foram sacrificados. Ela salientou que a secretaria estadual de saúde (SES) informou que a dedetização será realizada nos próximos dias.

A campanha iniciada ontem seguirá até dar cobertura em todo o município, de acordo com a Magnady Lavor. Ela ainda falou que, independente da campanha um morador pode procurar a secretaria e, dizendo que tem algum animal suspeito, será realizado o trabalho.

Leia Mais

Relacionadas