sábado, 19 de setembro de 2020

Saúde
Compartilhar:

Cobrança da mulher é essencial para encorajar homens na prevenção do câncer de próstata

Bruna Vieira / 18 de novembro de 2016
Foto: Nalva Figueiredo
O apoio familiar é essencial na realização do exame de próstata. E o primeiro, é o mais difícil. A cobrança preventiva, que geralmente vem da esposa e filhas ocorre porque o homem ainda se cuida menos que a mulher, é o que revela a pesquisa “Precisamos falar sobre a saúde do homem”, realizada pelo Ministério da Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), apenas 7% dos pacientes são diagnosticados com antecedência.

Murilo Vasconcelos, 45, vai realizar os exames de toque retal e PSA (Antígeno Prostático Específico) pela primeira vez. Ele conta, que se não fosse pela insistência da esposa, adiaria novamente. “Ano passado ia fazer o de sangue e com a correria do dia a dia, acabei não tendo tempo. Essa semana a minha mulher marcou os exames sem nem me avisar, para evitar que eu desistisse. Se ela não tivesse agendado, não iria. A mulher cuida da saúde do marido, porque homem se cuida menos porque tem vergonha, acha que nunca vai ficar doente. Sei que é importante, porque se tiver alguma coisa é mais fácil tratar, mas, não gosto de ir ao médico”, afirmou o motorista.

Murilo sabe da importância da rotina clínica preventiva. “Ninguém na família teve problema com próstata, mas, é importante reservar um tempinho para se cuidar, para não procurar só quando estamos doentes. Ter uma esposa que lhe encoraja é fundamental, ela sempre orienta que eu faça. Vou criar coragem para fazer todo ano. Meus amigos que fizeram me tranquilizaram, disseram que não tem nada demais, é normal. Vou poder recomendar aos outros também, a gente vai perdendo a vergonha de falar”, revelou.

Combate ao preconceito. Segundo o Inca, o câncer de próstata é o tipo que mais causa morte entre os homens na Paraíba e o segundo tipo mais comum em todo o mundo, ficando atrás apenas do de pele (não-melanoma). Um em cada seis homens terá a doença em alguma fase da vida, representando 10% de todos os tumores malignos detectados. Encorajar os homens na prevenção é importante, pois, a displicência e o preconceito são os principais, o que os leva ao consultório médico quando já apresentam sintomas há bastante tempo. “Muitos pacientes chegam com uma queixa e saem com o diagnóstico de câncer de próstata avançado. Em 95% dos casos, o tumor só manifesta sintomas quando já se alastrou, por isso, sua descoberta precoce depende de exames clínicos periódicos”, destacou o oncologista Ricardo Caponero.

Com o diagnóstico precoce, a chance de cura é de 90%. Em estágio avançado, esse índice cai para até 20%. O exame PSA é fundamental, mas, não é suficiente para o diagnóstico.

“Os tumores de próstata afetam principalmente homens com mais de 50 anos. À medida que a idade avança, a prevalência aumenta. Na faixa etária dos 75 anos, a doença chega a acometer 50% da população masculina. Por conta disso, exames periódicos (sangue e toque retal) são fundamentais para o diagnóstico precoce e devem ser feitos anualmente após os 40 anos. Cerca de 20 a 25% dos casos de câncer da próstata podem evoluir mesmo com PSA normal. E 20% dos pacientes com tumor benigno da próstata podem apresentar PSA aumentado. Isso significa que nem sempre o PSA traz informações definitivas no diagnóstico do câncer da próstata. Porém, a análise da variação de dosagens seriadas do PSA, ao longo do tempo, pode auxiliar muito na detecção precoce do tumor maligno da glândula”, esclareceu Ricardo Caponero.

Sintomas

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou a noite). Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal. Alguns desses tumores podem crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos e podendo levar à morte.

Onde fazer o PSA

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa, o atendimento inicial deve ser realizado na Unidade de Saúde da Família (USF), que possui sala de coleta para realização do PSA (exame de sangue). Embora os médicos indiquem que seja feito mais cedo, a idade recomendada no Sistema Único de Saúde é a partir dos 50 anos. Exceto os considerados como grupos de risco, que necessitam realizar a prevenção aos 45 anos: com histórico familiar de câncer de próstata, uso excessivo de bebida alcoólica, sedentários e negros.

Relacionadas