segunda, 21 de agosto de 2017
Saúde
Compartilhar:

Cinco crianças deram entrada em hospitais da capital com meningite nos últimos 30 dias

Katiana Ramos / 20 de abril de 2017
Foto: Divulgação
Cinco crianças deram entrada em hospitais de João Pessoa com suspeita de meningite. Dessas pacientes, uma mora no município de Guarabira, no Agreste, e as demais são de João Pessoa, sendo três delas estudantes de uma escola particular localizada no bairro do Bessa. Nessa quarta-feira (19), a escola suspendeu as aulas, que serão retomadas somente na próxima segunda-feira.

A informação das notificações foi confirmada pela Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de João Pessoa, Hospital Universitário Lauro Wanderley e pela assessoria da Escola Cidade Viva.

A assessoria de comunicação da Escola Cidade Viva alegou que apenas duas crianças com suspeita de meningite, do tipo viral, foram confirmados na unidade de ensino, sendo um caso registrado em março e o outro na última terça-feira. A assessoria alegou que a direção da escola resolveu suspender as aulas ontem e hoje para que seja feita uma higienização no prédio e para tranquilizar os pais.

No entanto, o diretor da Vigilância Sanitária da capital, Sílvio Ribeiro, alegou que o órgão recebeu uma outra notificação, vinda da Escola Cidade Viva, no último dia 12 revelando que uma outra criança da instituição estaria com meningite.

“Nós recebemos essa notificação e estamos investigando o caso. Estamos aguardando o laudo dos exames para saber qual o tipo de meningite. Esse laudo deve sair até a próxima semana. Mas, vamos fazer uma visita escola para orientar os funcionários e alunos sobre a prevenção da doença, formas de contágio e sintomas”, explicou Silvio Ribeiro.

Já no Hospital Universitário há duas crianças internadas com suspeita de meningite na ala de Doenças Infectocontagiosas, sendo uma paciente de Guarabira e a outra da capital. De acordo com a infectologista que acompanha os casos, Adriana Cavalcanti, as pacientes estão com quadro de saúde estável e reagindo bem ao tratamento. No entanto, a médica ainda não sabe informar se a meningite, que possivelmente afetou as crianças, é do tipo viral ou bacteriológica.

O diretor da Vigilância Sanitária da capital adiantou que o órgão também vai acompanhar os demais casos.

Atenção. A médica infectologista do Hospital Universitário da capital, Adriana Cavalcanti, lembrou que a meningite, viral ou bacteriológica, pode afetar qualquer pessoa e reforçou que o risco de contágio em crianças é mais vulnerável porque muitas ainda não estão imunizadas contra a doença. Por isso, ela alerta que o quanto antes a criança receber atendimento médico e começar o tratamento adequado, menor serão as consequências.

“Se a meningite for bacteriana a criança pode evoluir para um quadro mais grave. Em alguns casos, quando não há o tratamento adequado ou até mesmo o paciente não é tratado, pode levar a óbito ou problemas como cegueira, surdez, infecções”, explicou a médica.

A infectologista lembrou ainda que o contágio da meningite é feito pelas vias respiratórias entre pessoas que estejam mais próximas a criança.

VACINAS

- Vacina Pentavalente: protege contra meningite e outras infecções causadas pelo H. influenzae tipo b. Também confere proteção contra a difteria, tétano, coqueluche e hepatite B.

- Vacina BCG: protege contra as formas graves de tuberculose (miliar e meníngea).

- Vacina meningocócica conjugada C: protege contra doença invasiva causada por N. meningitidis do -sorogrupo C.

- Vacina pneumocócica conjugada 10-valente: protege contra doenças invasivas e outras infecções causadas pelo S. pneumoniae dos sorotipos 1, 4, 5, 6B, 7F, 9V, 14, 18C, 19F e 23F.

Leia Mais

Relacionadas