quarta, 19 de dezembro de 2018
Saúde
Compartilhar:

AVC mata 50 por mês na Paraíba

Katiana Ramos / 09 de agosto de 2018
Por mês, pelo menos 50 pessoas morrem vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC) na Paraíba. Esta é a média de casos registrados este ano pela Secretaria Estadual de Saúde e o total de óbitos de pacientes com esse perfil corresponde a 42,3% do total de casos ocorridos no ano passado.

Ainda segundo os dados da SES, de janeiro até a primeira semana deste mês, foram 727 internações de pacientes que sofreram AVC. Deste total de entradas, 467 registros são de pessoas na faixa etária de 65 a 80 anos ou mais.

A hipertensão arterial é, geralmente, a principal causa do AVC, conhecido popularmente como derrame. Contudo, segundo especialistas, outro vilão que pode ocasionar o problema é o nível do colesterol LDL, conhecido como ‘colesterol ruim’, acima do tolerado.

“Hoje, até crianças têm colesterol LDL elevado. Quando isso acontece pode contribuir para aterosclerose, que são placas de gordura nas artérias, e levar a obstrução nas artérias devido ao acúmulo de gordura. Então, isso em pessoas hipertensas é um fator de risco a mais para um AVC”, explicou o cardiologista e professor da Universidade Federal da Paraíba, Valério Vasconcelos.

A comerciante Rosa dos Santos contou que o marido sofre com hipertensão e o colesterol alto. No entanto, segundo ela, ele não toma os cuidados necessários para prevenir o agravamento desses problemas.

“Ele é muito teimoso. Os médicos já alertaram sobre o que pode acontecer se ele não baixar essas taxas e tomar a medicação direito, até porque ele tem problema de coração. Mas, não adianta”, disse.

A vendedora Claudete da Silva também conhece de perto a realidade de quem sofre com sintomas que são fatores de risco para o surgimento de AVC. Há três anos, ela perdeu a mãe em decorrência desse problema. “Minha mãe morreu por conta disso e outras pessoas da família têm problema de pressão alta”, contou.

Alerta. De acordo com o Ministério da Saúde, o Acidente Vascular Cerebral é a causa mais frequente de óbito na população adulta (10%) e consiste no diagnóstico de 10% das internações no Sistema Único de Saúde (SUS).

Em 2016 foram 188.223 internações para o tratamento de AVC isquêmico e hemorrágico no SUS. Sobre as mortes, a pasta registrou em 2016, no Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), 40.019 óbitos por Acidente Vascular Cerebral.

O cardiologista Valério Vasconcelos lembrou que o sedentarismo, diabetes e tabagismo são outros fatores de risco que podem causar o AVC, atualmente denominado Acidente Vascular Encefálico (AVE). “Por isso, é importante as pessoas cultivarem bons hábitos, principalmente quem já tem um desses problemas. É preciso controlar a pressão, ingerir frutas e verduras”, aconselhou.

Acordo firmado

No último dia 7, o Brasil e outros 12 países da América Latina assinaram a ‘Carta de Gramado’, que estabelece 16 compromissos para combater o AVC, que está entre as principais causas de morte nesses países. Ontem, também foi lembrado o Dia Nacional de Combate ao Colesterol, um dos fatores de risco para o AVC.

Em João Pessoa, a Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza serviços de reabilitação para pacientes que ficaram com sequelas físicas em decorrência da doença. Os atendimentos com fonoaudiólogos, fisioterapeutas, enfermeiros, terapeutas ocupacionais e assistentes sociais acontecem no Centro de Reabilitação e Cuidados da Pessoa com Deficiência, que funciona no Centro de Assistência Integral a Saúde (Cais), em Jaguaribe.

“Os atendimentos são feitos por demanda espontânea. Basta o paciente ir com o laudo e a recomendação médica dos serviços que ele necessita. Depois disso, a pessoa é avaliada e direcionada para os atendimentos necessários”, explicou a coordenadora do Centro de Reabilitação, Mariane Pessoa.

Leia Mais

Relacionadas