segunda, 25 de janeiro de 2021

Religião
Compartilhar:

Dom Delson cobra das autoridades e políticos maior combate à violência

Ainoã Geminiano e Wênia Bandeira / 15 de fevereiro de 2018
Foto: Reprodução
O arcebispo da Paraíba, Dom Manoel Delson, pregou a tolerância às diferenças e cobrou compromisso, inclusive dos gestores públicos, com o combate à violência. A mensagem fez parte do sermão, durante a celebração da missa de quarta-feira de cinzas, na Catedral de Nossa Senhora das Neves, que também marcou o início da quaresma e o lançamento da campanha da fraternidade, em João Pessoa. Apesar do dia feriado, centenas de fiéis acompanharam a celebração.

Este ano, o tema da campanha da fraternidade é “Fraternidade e Superação da Violência”. O lema da campanha é “Vós dois todos irmãos”, baseado em um texto do evangelho de São Mateus. “Precisamos rever nossa cultura da resposta violenta, da intolerância, substituindo por uma cultura do amor, da paz, do respeito às diferenças, seja de religião, de sexo, de cor. Precisamos respeitar a todos, porque todos somos irmãos em Cristo”, disse Dom Delson.

Na fala sobre o respeito às diferenças, o arcebispo fez questão de enfatizar. “Não podemos agir com violência se uma pessoa tem uma opção sexual diferente da nossa. Porém, temos que acabar também com a intolerância de minorias, que tentar impor suas formas de pensar para a maioria. O diálogo respeitoso precisa definir o respeito entre os semelhantes”. acrescentou.

Sobre o combate à violência, Dom Delson disse que todos somos responsáveis. “Cada um tem que fazer o seu papel, desarmando os espíritos, preferindo as respostas de amor às respostar de ódio. E a convocação para que cada um faça a sua parte envolve também os gestores públicos, responsáveis pela promoção de políticas de combate e prevenção à violência. Todos precisam ser responsáveis, inclusive os gestores públicos”, cobrou.

Não a repressão em CG

A campanha da fraternidade também foi lançada nessa quarta-feira (14) em Campina Grande, em uma missa realizada na Catedral de Nossa Senhora da Conceição, presidida pelo bispo Dom Dulcênio Fontes. O líder da igreja local falou sobre o que acredita ser efetivo no combate à violência. “As ações pontuais não resolverão o problema, apenas tapearão o mal entranhado da violência, por isso não apostamos nas atitudes violentas da repressão, porque cremos que o dialogo muito poderá fazer para resolver”, disse. Já o Padre Saulo Rodrigues criticou um dos lemas mais falados no país. “Fomos acostumados com a ideia de que vivemos em um país abençoado por Deus e bonito por natureza, o que não é verdade. Para se ter uma idéia, os traficantes educam as crianças para a violência. Os traficantes compram armas de brinquedo para incentivar esta cultura da violência. As mídias promovem este comportamento e torna aquilo comum”, disse.

Relacionadas