quarta, 20 de janeiro de 2021

Cidades
Compartilhar:

Reforma do Parque do Jacaré para na metade do caminho

Ainoã Geminiano / 17 de maio de 2016
Foto: Rafael Passos
De acordo com a Secretaria de Turismo, o Município aguarda a liberação de verbas federais para compra do material que falta para concluir calçada.

Parte das obras de revitalização da Praia do Jacaré, em Cabedelo, estão paradas por falta de dinheiro. O local, onde acontece o tradicional pôr do sol é um dos pontos turísticos mais visitados do Estado e está passando por sensíveis mudanças. No local de onde foram retirados vários bares e restaurantes está sendo construído um passeio público, com parapeito, de onde as pessoas contemplarão o espetáculo da natureza. Mas, a calçada parou na metade.

O operador de telecomunicações Gabriel Lemos estava visitando a praia pela primeira vez, gostando do ambiente, mas reclamou da falta de infraestrutura no mirante, exatamente no local que está sem calçada e parapeito. “Alguns serviços que procurei aqui, como banheiro, comida, encontrei fácil. Os comerciantes são muito atenciosos. Agora, nessa parte do mirante está faltando uma estrutura melhor. Tem essa parte com chão de terra, sem parapeito. Fica perigoso”, disse Gabriel. Morador do Amazonas e de férias do trabalho, ele está fazendo um tour pelas capitais nordestinas e fez questão de conhecer o pôr do sol do Jacaré, do qual já tinha ouvido falar. “Soube que tinha umas estruturas de restaurantes aqui e que era mais movimentado”, acrescentou.

O comerciante José Denis da Silva, trabalha no Jacaré há quatro anos e confirmou a informação repassada a Gabriel. Ele espera pela construção do que foi prometido para o local, para que os clientes voltem. “O movimento aqui caiu muito depois da retirada dos bares. Eu sei que eles estavam errados, sujavam a praia, mas não se pode negar que atraiam mais turistas. As pessoas vinham fazer refeições, tomar uma cerveja e, na saída, comprava uma pipoquinha para os filhos. Minhas vendas caíram muito”, disse.

O agricultor Ademir Destro, que mora em Santa Catarina, visitava o Jacaré pela segunda vez e teve a mesma impressão. “Estive aqui há cerca de um ano e meio e realmente era muito mais movimentado. Mas eu gostei desse espaço livre. Fica melhor para quem quer ver o pôr do sol, o espaço livre. Gostei”, analisou.

Artesanato. Enquanto a obra da calçada está parada, a construção dos boxes que abrigarão a feira de artesanato segue em ritmo normal. A previsão da prefeitura é de entregar o equipamento no mês de julho. No início deste mês, representantes da prefeitura se reuniram com comerciantes locais para discutir o andamento das obras.

“Nós já estamos com as estruturas do parapeito prontas, aguardando apenas a liberação de recursos para a compra dos tijolos intertravados, para conclusão da calçada. Já terminamos a montagem dos gabiões, que dará sustentação ao passeio. O mercado de artesanato poderá sofrer algum atraso na entrega, mas não será tão grande”, explicou a secretária de Turismo, Jamille Carvalho Queiroz.

Bancando atrações. Na falta das atrações culturais, que antes eram oferecidas pelos restaurantes, os comerciantes estão se virando para não deixar o local apenas com a imagem do pôr do sol e rateando o cachê de artistas locais, que se apresentam em um pequeno palco improvisado na parte da calçada que já foi construída. “Estamos recebendo uma ajuda dos comerciantes e também vendendo nossos CDs. Está sendo bom para os dois lados e para os turistas, que gostam de apreciar nosso trabalho”, disse o violinista Paulo Barreto, que tinha vendido quase todos os CDs que levou, na tarde da última quinta-feira.

Disciplinamento. Uma das preocupações das autoridades ao retirar os bares e restaurantes do local é a preservação do Rio Paraíba e do espetáculo do pôr do sol. Durante a reunião com os comerciantes, os secretários da Prefeitura de Cabedelo disseram que a Capitania dos Portos está avaliando o projeto de criação de uma zona de exclusão no rio, para deixar livre a área em que acontece o espetáculo do pôr do sol e de um sistema de balizamento náutico. “Já temos as bóias que serão instaladas na água para disciplinar o balizamento das embarcações e vamos construir um novo píer, mais largo, iluminado, com uma infraestrutura digna para o turista”, acrescentou Jamille Carvalho.

Leia Mais

Relacionadas