quarta, 03 de março de 2021

Cidades
Compartilhar:

População reclama de buracos nas ruas de Campina Grande

Wênia Bandeira / 27 de maio de 2017
Foto: Chico Martins
Moradores de pelo menos dois bairros em Campina Grande estão reclamando de buracos nas ruas onde moram. De acordo com eles, o calçamento precário está causando acidentes e acumulando esgoto, lixo e bichos. A Prefeitura Municipal de Campina Grande disse que mandará funcionários para corrigir os problemas encontrados.

DEIXE SEU COMENTÁRIO NO FIM DA MATÉRIA

A comerciante Ivonete Maria da Rocha, 58 anos, mora há 30 anos na Rua General Newton Estilac Leal, no bairro Alto Branco, em frente a um desnível de cerca de um metro. “Já teve acidentes de carros e motos, eu vejo a hora alguém bater no muro da casa da minha filha, minha vizinha. É um perigo isso aí e ninguém faz nada”, declarou.

Segundo ela, o buraco existe há pelo menos oito meses. Ela afirmou que viu a rua ser asfaltada nestes anos que reside no lugar, mas que a chuva destruiu o local. “Não tem a atenção da prefeitura, só fazem promessa, mas sem atenção”, completou.

No bairro José Pinheiro, as ruas Frei Vicente Salvador e Manoel Dias Lima são motivos de reclamação pelos moradores. Alexandre Rufino é pago pelos moradores das redondezas para fazer a limpeza e disse que já viu até escorpião no local.

“Esse buraco é entupido pelo lixo e pelo esgoto, então os bichos tomam conta. Eu já vi barata, rato e escorpião por aqui enquanto limpo. Além disso, os carros passam e jogam isso tudo em cima da gente”, contou. Ele recebe R$ 25,00 para varrer o local todos os dias.

A aposentada Inácia Moraes confirmou o pagamento e disse que se não fizer a limpeza, as casas são invadidas. “A gente zela para ficar a casa limpa, mas ainda encontra bicho por causa dessa sujeira toda”, falou.

A secretária de Obras de Campina Grande, Fernanda Ribeiro, garantiu que equipes da PMCG serão enviadas para os endereços e que os problemas serão resolvidos. “É isso sempre que dizemos, aconteceu algum problema, nos informe que tomaremos as providências”, disse.

A reportagem tentou contato com o secretário de Serviços Urbanos e Meio Ambiente (Sesuma), Geraldo Nobre, mas até o fechamento desta matéria as ligações não foram atendidas.

Relacionadas