sexta, 19 de abril de 2019
Policial
Compartilhar:

Violência doméstica lidera lista de prisões durante Carnaval na PB

Ainoã Geminiano / 08 de março de 2019
Foto: Secom-PB
As desordens e crimes praticados durante o Carnaval renderam mais de 50 prisões por dia, na Paraíba. A maior parte dos presos foi por prática de violência doméstica. Os dados do relatório da Operação Carnaval, iniciada na sexta-feira e encerrada na Quarta-feira de Cinzas, foram divulgados ontem pela Secretaria de Estado da Segurança.

Os números mostram redução de alguns crimes e aumento de outros, a exemplo do roubo de carros. Quase 700 eventos foram fiscalizados pela PM, os Bombeiros resgataram 23 pessoas em situação de afogamento, a Delegacia da Mulher comemorou o resultado da campanha contra a importunação sexual, que resultou em apenas três registros durante o Carnaval e a Polícia Civil abriu 198 inquéritos, a partir das prisões em flagrante. As prévias de João Pessoa são a preocupação da Segurança Pública para os próximos carnavais.

Durante a apresentação dos números da Operação Carnaval 2019, o comandante da PM, Euller Chaves, destacou a redução dos assassinatos registrados durante o período festivo, em relação ao Carnaval de 2018.

“Além de uma redução significativa de 35%, percebemos que nenhum dos crimes teve relação direta com a festa, o que significa que a ação preventiva das forças de segurança funcionou. A região do Sertão precisa ser analisada porque foi a única do Estado que teve aumento nas ocorrências, o que acreditamos que se deve ao fato de, esse ano, ter ocorrido mais eventos de grande porte do que no ano passado, o que acaba atraindo mais pessoas para as cidades”, disse.

No Sertão foram registrados três homicídios no Carnaval de 2018 e quatro este ano.

O domingo e a terça-feira foram os dias que concentraram maio número de homicídios, com três casos cada. Dos homicídios registrados, dois foram de mulheres. Um deles aconteceu em Areia, no Brejo paraibano, onde um homem matou a ex-companheira por motivos passionais. O acusado foi preso em flagrante. O outro caso aconteceu em Campina Grande e o acusado ainda não foi preso, nem os motivos foram esclarecidos.

Apesar dos dois assassinatos e das prisões por violências doméstica, a Coordenação Geral das Delegacias da Mulher do Estado comemorou o resultado da campanha “Meu corpo não é sua folia”, lançada na semana que antecedeu o Carnaval, com a finalidade de inibir a prática de importunação sexual. “Tivemos apenas três casos desse tipo registrados em todo o Estado, o que significa que tivemos êxito, considerando a grande a quantidade de foliões e de eventos carnavalescos. Mas essa campanha será para além do Carnaval. Queremos criar nas pessoas a cultura do respeito ao direito de a mulher dizer não”, disse a delegada Maísa Félix. Nas delegacias do Estado, foram atendidas 47 mulheres em situação de violência em circunstâncias diversas.

Prévias preocupam. Na avaliação do comandante Geral da PM, as prévias carnavalescas de João Pessoa deram mais trabalho à polícia do que o restante do Carnaval. O destaque foi o bloco Virgens de Tambaú, onde um jovem de 18 anos foi assassinado.

“Tivemos um bloco no dia anterior, puxado pelo cantor Bell Marques, com número muito maior de foliões e não tivemos problema de natureza grave. Mas quando você chega em um bloco onde há apologia determinada ao crime, na letra das músicas que são postas, as pessoas se animam sob efeito de bebida ou de droga e tomam atitudes violentas. No caso do homicídio registrado, nota-se que foi algo planejado, mas que se animou em razão do cenário do bloco. Ainda vamos fazer uma leitura mais adequada disso e buscar um diálogo com a direção do Folia de Rua, do Ministério Público e outros órgãos”, analisou Euller Chaves.

O oficial também destacou que os Conselhos Tutelares serão acionados, porque foi visto um grande número de menores, desacompanhados de responsáveis, participando dos blocos.

Apreensões e drogas

No patrulhamento específico dos eventos carnavalescos, a PM prendeu 88 pessoas. A madrugada de segunda para terça-feira de Carnaval foi o período com maior número de apreensões. Nove menores foram apreendidos por ato infracional e sete armas de fogo apreendidas em poder de foliões. Também houve apreensão de 2,5Kg de droga e de 123 veículos com licenciamento irregular ou restrição de roubo.

Veículos roubados

Outro capítulo dos números apresentados tratou dos crimes patrimoniais envolvendo veículos. Na soma geral de carros e motos, houve redução de 24% nos roubos ou furtos. A queda, no entanto, foi puxada pelas motos. Em 2018, 19 motocicletas foram roubadas ou furtadas, número que caio para 6 em 2019. No entanto, o número de carros roubados ou furtados, aumentou de 27 para 29. O crime é caracterizado como roubo quando o bem é tomado mediante grave ameaça à vítima. Já o furto é quando o bem é levado na ausência da vítima.

Nos cinco dias de Carnaval, o Corpo de Bombeiros realizou 425 socorros, incluindo casos de incêndio, busca e salvamento e áreas diversas, resgates aquáticos, atendimentos pré-hospitalares, crianças perdidas, primeiros socorros e animais em acidente aquático. Dos 24 casos de afogamento, um deles terminou em morte. No trânsito, os Bombeiros fizeram 25 resgates de pessoas acidentadas.

Relacionadas