sexta, 19 de julho de 2019
Policial
Compartilhar:

Parques de Campina Grande são alvos de bandidos e vândalos

Wênia Bandeira / 04 de janeiro de 2018
Foto: Chico Martins
Violência e problemas com equipamentos são os principais comentários dos moradores de Campina Grande quando o assunto é parques pela cidade. Os quatro locais disponíveis para a prática de exercícios físicos e lazer são alvos de bandidos e vândalos. A polícia diz que a insegurança vivenciada é reflexo da falta de denúncias que deveriam ser feitas pela comunidade.

De acordo com a Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan), responsável pelo Parque de Bodocongó, o lugar continua em obras, mas a segunda etapa ainda não tem data provável para conclusão. A Suplan ainda informou, em nota, que os equipamentos entregues na primeira etapa serão vistoriados. “Com a conclusão da segunda etapa, o parque terá mais um espelho d’água, mais quatro quiosques de alimentação, mais dois quiosques com baterias de banheiros e mais uma quadra de areia”, diz a nota. O valor a ser investido não está previsto, o que está sendo levantado para que uma licitação seja lançada.

Os parques do bairro da Liberdade e da Criança, no Catolé, além da Vila Olímpica Plínio Lemos, no José Pinheiro, são construções e manutenções da Prefeitura Municipal. O secretário de Esportes, Cultura e Lazer, Teles Albuquerque, foi procurado, mas não atendeu às ligações da reportagem.

Vila Olímpica

Com um investimento de R$ 4,5 milhões, a Vila Olímpica Plínio Lemos recebe reclamações de frequentadores. De acordo com a população, não existe manutenção no local.

“Eu ainda venho me exercitar porque conheço todo mundo por aqui, não temo porque moro no bairro há 60 anos, mas vejo que as pessoas evitam por medo”, contou o aposentado Severino Aciole, 64 anos.

Ele falou que acontecem assaltos e uso de drogas sempre por falta de policiamento. “Além disso, ainda dá pena porque se acabou tudo. Quebraram tudo”, lamentou.

Severino Aciole relatou a situação do ginásio de esportes e do Museu do Futebol que estão com teto caindo e com muitas pichações. “A arquibancada de futebol e a piscina também estão sem cobertura e o campo de futebol está sem gramado. O piso próximo a piscina está quebrado, podendo ocasionar acidentes”, completou.

No ginásio continuam acontecendo aulas de futsal para crianças do bairro. O coordenador do projeto realizado pela Sociedade São Vicente de Paulo, João Campelo, salientou que persiste com o trabalho por amor às alunos.

“Essas crianças estão com a mente ocupada e brincando. Não têm tempo de pensar em besteira, então eu continuo. Só peço que aconteça uma reforma, precisa fazer em prol das crianças. Nós estamos trabalhando aqui como se morássemos em uma casa sem porta”, disse.

Assaltos frequentes

O maior parque da cidade pena com a violência. É o que afirmam os frequentadores do local, que já foram vítimas de assaltantes ou conhecem alguém que já tiveram objetos roubados enquanto se divertiam no Parque da Criança.

“Eu estava aqui com meu filho, fazendo exercícios quando me levaram muita coisa. Eu estacionei meu carro na frente de uma câmera de segurança e deixei um IPhone 6, dois smartphones e dinheiro lá para não trazer para cá já que sabíamos que tem assalto o tempo todo. Quando voltei não tinha mais nada porque clonaram o alarme do carro e levaram tudo. O pior é que a câmera não pegou nada porque estava voltada para o banco que é do outro lado da rua”, contou uma jornalista que não quis se identificar.

A operadora de caixa, Jucélia Silva, 35 anos, estava com o filho de 3 anos brincando na área infantil quando viu um fio de alta tensão caído. “Vai saber se tem energia aí. A gente já vem sem nada nos bolsos por medo de assaltos e ainda tem isso aí”, falou.

O coordenador do Parque, José de Sousa Júnior, disse que o local conta com 20 homens que fazem segurança desarmada 24 horas. “Um dos seguranças reclamou com um usuário de drogas e foi agredido, tendo que receber atendimento médico”, disse.

Ele ainda informou que o Parque da Criança vai passar por reforma, quando serão refeitos a pista de skate, as escadarias, as quadras de futsal, de basquete e de tênis, a academia, e o salão de eventos.

Parque de Bodocongó

Os equipamentos da primeira etapa da obra já estão com problemas. Um dos balanços, por exemplo, foi alvo de vândalos e está quebrado, pendurado na estrutura.

O único frequentador encontrado por lá disse que acredita que outras pessoas não vão até o local por medo.

Liberdade

O Parque da Liberdade continua em construção e com material espalhado. Com obra acontecendo, o local é aberto apenas algumas horas por dia, das 5h às 7h e das 17h às 18h. A reportagem não encontrou frequentadores no local.

Relacionadas