terça, 26 de janeiro de 2021

Policial
Compartilhar:

Número de assaltos a caminhões dobrou em 1 ano nas estradas da Paraíba

Katiana Ramos / 28 de fevereiro de 2017
Foto: NALVA FIGUEIREDO
Com mais de 30 anos de profissão, além da saudade de casa, o medo da violência nas estradas também acompanha o caminhoneiro José Naldo da Silva. O motivo não é para menos. Em 2016 foram 32 roubos de carga somente nas rodovias federais que cortam a Paraíba. O número é mais que o dobro do que o registrado no ano anterior, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Nas mais de três décadas de profissão, José Naldo nunca foi assaltado enquanto trabalhava. No entanto, os relatos de amigos que sofreram a agressão são frequentes, disse o caminhoneiro.

Ao lado do amigo Hélio Barbosa, José Naldo trafega somente carregando cargas pela região Nordeste. Já o paraibano Alexsandro André circula o Brasil inteiro levando cerâmica. Na opinião dele, a BR-101, nas divisas entre a Paraíba e Pernambuco, têm os trechos mais vulneráveis à ação de bandidos. “Na entrada de Pernambuco tem muito canavial e é nessas áreas onde os bandidos se aproveitam para assaltar os caminhoneiros. No sentido para Natal, o trecho próximo a Mamanguape – Litoral Norte da Paraíba – também é perigoso”, relatou Alexsandro André.

Os dados da PRF reforçam o argumento do caminhoneiro. Dos 32 roubos de carga registrados no ano passado, 29 aconteceram na BR-101. Já em 2015, 11 das 15 ocorrências desse tipo foram nessa via.

“A BR-101 é a mais visada por essas quadrilhas, que muitas vezes são interestaduais, conhecem bem a região e têm informantes. No limite entre os estados –Paraíba/Pernambuco e Paraíba/Rio Grande do Norte – tem muita plantação, canaviais e os bandidos preferem esses locais para facilitar a fuga e também esconder a carga roubada”, explicou a inspetora da PRF, Nathália Freire. Ela acrescentou ainda que os números desse tipo de crime podem ser maiores, pois há casos em que as vítimas registram as ocorrências nos estados vizinhos.

“Os roubos de carga acontecem mais quando os caminhoneiros saem dos postos fiscais, quando registram as mercadorias, ou param no acostamento. Eles ficam desatentos e acabam sendo abordados pelos bandidos”, explicou a inspetora.

Mais vigilância. De acordo com Nathália Freire, as ações desenvolvidas pela corporação, desde 2014, têm reforçado o combate aos roubos e assaltos aos ônibus que fazem linhas interestaduais.

“Em 2014, houve uma alta nos assaltoa a ônibus. No ano seguinte, foi feito um trabalho intenso nas rodovias, com operações de combate ao crime. Muitas ações dessas foram realizadas em conjunto com as Polícias Civil e Militar do Estado. O mesmo também temos feito com relação ao combate de roubo de cargas”, lembrou. Nathália Freire destacou ainda que a PRF tem feito ações específicas em trechos da BR-101 para coibir as abordagens de criminosos aos caminhoneiros. No município de Mamanguape, por exemplo, o efetivo dos policiais rodoviários foi reforçado.

Leia Mais

Relacionadas