sexta, 22 de janeiro de 2021

Policial
Compartilhar:

NO GEISEL: Idosa é presa suspeita de estelionato em quatro Estados; fraudes são superiores a R$ 3 milhões

Aline Martins / 14 de maio de 2016
Foto: Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa
Condenada pela Justiça Criminal da comarca do Rio Grande do Norte desde 2012 por estelionato, uma mulher de 74 anos, foi presa, na tarde de sexta-feira, pela Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF) de João Pessoa. Ela é suspeita de fraudes superiores a R$ 3 milhões. A Polícia Civil chegou a idosa após ter prendido o filho dela, que é médico oftalmologista no início deste mês, na Capital, pelo crime de estelionato e falsidade ideológica. A pena pelos crimes praticados totaliza mais de 10 anos. No entanto, pela idade avançada, a pena pode ser revertida em prisão domiciliar.

Maria Martha Sobral da Silva é suspeita pelo crime de estelionato, por fraudes relacionadas à emissão de documentos falsos, abertura de contas bancárias e negociações em locação de imóveis e de veículos, praticadas em pelo menos quatro unidades da federação – Rio Grande do Norte, Paraíba, Goiás e Distrito Federal. O delegado da DDF, Lucas Sá, informou que a idosa já foi condenada em 2012 pela Justiça de Natal e estava há mais de dois anos foragida. Ela mora em Patos, mas no momento da prisão estava na casa do filho, no bairro do Geisel, Fábio Vicente Sobral, que foi preso no dia 5 deste mês, suspeito de estelionato. Ele está preso no 5º Batalhão de Polícia Militar.

A suspeita é que os dois agiam em parceria e teriam desviado mais de R$ 3 milhões. De acordo com Lucas Sá, a DDF iniciou as investigações há aproximadamente três meses, após denúncia do setor de identificação da Capital (IPC – Instituto de Polícia Científica) que resultou na prisão em flagrante do filho da idosa. No dia que o médico foi preso, a Polícia Civil não encontrou nenhum elemento que possibilitasse a prisão dela em flagrante. No entanto, as investigações comprovaram a atuação dos dois e com um mandado de prisão em aberto. A idosa será conduzida ao presídio feminino da Capital para aguardar a decisão da Justiça.

De acordo com o delegado, foram descobertas duas identidades em nome da suspeita, sendo a primeira em nome de Maria Martha Freire Sobral (possivelmente correta) e a segunda com nome de Maria Martha Sobra Silva (possivelmente falsa). Além da duplicidade do nome há também dos números dos CPF.

Relacionadas