sábado, 19 de setembro de 2020

Policial
Compartilhar:

PF desarticula quadrilha que fraudava Minha Casa, Minha Vida na Grande JP

Redação com assessoria / 28 de outubro de 2015
Foto: Divulgação
A Polícia Federal na Paraíba, em parceria com o Ministério Público Federal, deflagrou na manhã desta quarta-feira (28) a Operação Falsa Morada, com o objetivo de combater, desarticular e desestruturar a atuação de grupo criminoso que fraudava o Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV), do Governo Federal.

A ação está sendo realizada na Grande João Pessoa, onde 16 policiais federais estão nas ruas, cumprindo três mandados de condução coercitiva, quatro de busca e apreensão, além do Mandado de Prisão preventiva da chefe do esquema criminoso. Todos os documentos expedidos pela 16ª Vara Federal da Seção Judiciária da Paraíba em João Pessoa.

Em seu estágio atual a investigação detectou fraudes em 17 financiamentos, resultando num montante aproximado de R$ 1.700.000,00. Com os documentos que serão examinados a partir de agora esses valores poderão ser ampliados.

A quadrilha, encabeçada por uma advogada, atuante em questões pertinentes à construção civil, aliciava pessoas para, de forma fraudulenta, figurarem como beneficiárias de financiamentos junto à Caixa Econômica Federal.

Produziam-se documentos falsos para simular situação em que as pessoas, indevidamente, pudessem ser enquadradas no Programa MCMV, sem que houvesse, por exemplo, ocupação de unidade habitacional. Destacam-se as fraudes em supostos comprovantes de renda, a fim enquadrarem os fraudadores compradores como aptos a obterem o melhor subsídio possível concedido pelo Governo Federal.

Os indícios apontam que o grupo criminoso apresentava imóveis construídos por terceiros, sem que tivessem qualquer relação com a citada obra, a engenheiros das instituições financeiras, sempre observando a cautela em mostrarem as casas, recém construídas, em horário em que fosse mínimo o risco de o proprietário/construtor verdadeiro presenciar a fraude.

Diversas empresas tiveram, indevidamente, seus nomes e dados usados pelo grupo criminoso, quando das confecções de declarações de renda falsas.

Relacionadas