domingo, 17 de janeiro de 2021

Policial
Compartilhar:

Depois da chacina na Espanha, Marvin é acusado de estupro de vulnerável

Francisco Varela Neto / 24 de abril de 2017
Após ser acusado de participar da chacina que matou uma família inteira na Espanha, o jovem Marvin Henriques de 18 anos, agora está sendo investigado por suspeita de estupro de vulnerável na cidade de João Pessoa. A denúncia foi feita na quarta-feira (19) pela mãe da suposta vítima na Delegacia da Mulher e foi passada na sexta-feira (21), para a Delegacia da Infância e Juventude, que gora investiga o caso.

De acordo com a delegada Joana D'Arc Sampaio, a menina teria realmente se relacionado com Marvin e que tudo teria sido consentido pela garota. Contudo, a delegada afirmou que se trata de um caso de estupro de vulnerável, porque a garota é menor de 14 anos. Segundo Joana D'Arc, os dois se conheceram na praia e seria a terceira vez que o casal teve relações sexuais.

A delegada informou ainda que a mãe descobriu o caso quando os dois estavam no carro e foram abordados pela mesma, mas que não sabe desde quando estava acontecendo o envolvimento entre a menor e Marvin e que ainda vai ouvir os dois para obter mais detalhes.

Joana D’Arc falou que está aguardando o resultado dos exames, mas que independente de qualquer coisa o acusado será indiciado e terá que ser ouvido na delegacia.

“Ela foi submetida a exames e a gente vai aguardar esses exames chegarem para dar prosseguimento ao inquérito policial. Independente do exame, ele já vai ser indiciado porque a lei é bem clara, tendo em vista que é menor de 14 anos. Ele será indiciado porque a mãe tomou a iniciativa de ir a delegacia”, afirmou.

A delegada afirmou que não sabe se a mãe ou a filha teriam conhecimento de quem era Marvin, que ficou conhecido na Paraíba depois da chacina da Espanha. “Não sei. Ela não fala no depoimento. Acredito até que a delegada não tenha lembrado que seria ele que ficou famoso pelo caso lá da Espanha, até porque um caso não tem nada a ver com o outro”, disse.

E acrescentou que ele pode se prejudicar neste caso de estupro por já ter respondido inquérito policial. “Mas eu acho que ele pode se prejudicar porque existem regras a cumprir quando você é beneficiado, que são: não estar em bares, restaurantes, casas noturnos, tem que estar em um determinada hora em casa, não pode responder a inquérito policial novamente e ainda mais um caso desse de estupro”, finalizou a delegada.

Relacionadas