terça, 21 de maio de 2019
Policial
Compartilhar:

Assaltos na Epitácio Pessoa, principal via de JP, apavoram moradores

Ainoã Geminiano / 09 de janeiro de 2019
Foto: Nalva Figueiredo
Os últimos assaltos ocorridos na Epitácio Pessoa espalharam uma onda de medo entre as pessoas que utilizam a principal avenida de João Pessoa, tanto para se deslocar quanto para trabalhar. Em um único dia, duas farmácias e um banco foram roubadas na Epitácio, sendo que, em dois desses casos, houve tiroteio entre a polícia e os bandidos. Para a polícia, os roubos na Avenida caíram 25% na comparação entre os dois últimos anos e os casos que ainda estão acontecendo se devem ao fato de os bandidos estarem encontrando facilidade para entrar em estabelecimentos que não têm nenhuma segurança.

A discussão sobre os roubos na Epitácio Pessoa começaram após duas farmácias e uma agência do banco Bradesco serem atacadas por bandidos, na última segunda-feira. No banco, os assaltantes chegaram no final da manhã da segunda-feira, renderam seguranças e clientes, fizeram um arrastão dentro da agência e, na fuga, trocaram tiro com uma guarnição da Polícia Militar. Um cabo da PM foi ferido com um tiro nas nádegas, mas passa bem. Os bandidos não foram presos.

À noite, por volta das 20h, uma farmácia que fica no trecho da Epitácio que fica no bairro de Miramar foi assaltada por dois homens armados, que chegaram em uma moto e levaram todo o dinheiro do caixa. Mais tarde, o roubo a outra farmácia, que fica no início da Avenida, terminou com um intenso tiroteio entre supostos assaltantes e policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Um suspeito preso portando dinheiro e fraudas roubadas do estabelecimento.

Ontem, mesmo com receio de falar sobre o assunto, funcionários da farmácia assaltada, que testemunharam o tiroteio, comentaram a situação de medo que ficou após o roubo. “A sensação aqui é de medo mesmo. Não só de nós que trabalhamos aqui. Percebemos que as pessoas que vêm esperar ônibus na parada que fica mais à frente, têm medo de ficar na para e ficam aqui na porta da farmácia, até chegar o coletivo. Todas as farmácias vizinhas aqui já foram assaltadas. Todo mundo aqui vive com medo”, disse um deles, que não quis se identificar.

Na parada de ônibus a que se referiu o funcionário da farmácia, a reportagem encontrou o funcionário público João da Silva, que passa com frequência pelo local. “Que faz medo ficar aqui faz sim. Mas eu procuro vir sempre mais cedo, antes de anoitecer. Mesmo assim, temos que lidar com isso. Não vamos deixar de viver né”, disse.Em outro trecho da Epitácio, funcionários de um posto de combustíveis, que fica vizinho a uma agência bancária, roubada várias vezes, falaram do sentimento de medo. “Na última semana de dezembro um senhor veio sacar dinheiro aqui no banco e, assim que ele saiu, dois caras em uma moto se aproximaram, quando ele passava nafrente do posto , simplesmente arrebataram a bolsa da mão dele. Aqui mesmo já houve vários assaltos”, relatou.

Falta de segurança. Procurado pela reportagem, o coordenador do policiamento da Região Metropolitana de João Pessoa, coronel Lívio Sérgio Delgado, disse que as ocorrências de crimes violentos contra o patrimônio, na Epitácio Pessoa, caíram 25% entre os anos de 2017 e 2018. “Essa repercussão toda está acontecendo porque coincidiu de acontecer três roubos no mesmo dia, dois deles com destaque pelo fato de ser um banco e de ter havido tiroteio em outro. Porém três casos dentro do universo total é praticamente nada”, disse o oficial.

Por outro lado, o coordenador disse que o grande número de farmácias, junto umas das outras, abertas à noite e sem nenhuma segurança privada, tem atraído os bandidos. “Os assaltantes sabem que a hora que quiserem entrar eles conseguem, porque não há nada que os impeça. Estamos intensificando as rondas, os levantamentos de informações de inteligência, mas os estabelecimentos privados precisam fazer sua parte com a segurança patrimonial”, concluiu Lívio Delgado.

Relacionadas