sexta, 22 de janeiro de 2021

Policial
Compartilhar:

Insegurança: Assaltos e drogas no Centro de João Pessoa

Bruna Vieira / 05 de abril de 2017
Foto: NALVA FIGUEIREDO
Nas proximidades da Praça Pedro Américo, no Centro de João Pessoa, o medo faz parte da rotina dos comerciantes e de quem espera por transporte coletivo nas paradas de ônibus. A população relata casos de assaltos e uso de drogas bem próximo ao Comando Geral da Polícia Militar. Mesmo assim, a assessoria da PM informou que houve redução de 14% nas ocorrências com ônibus.

Na Rua Beaurepaire Rohan, os usuários de drogas transitam sem cerimônia. A professora Fátima Melo relata que não se sente segura no local. “Moro em Itabaiana, vim ao médico e estou esperando o transporte para voltar. Venho toda semana, mas, a gente fica com apreensivo, anda com dinheiro, celular. De vez em quando passa algum drogado, mas, nunca mexeram com a gente”, disse.

A atendente Maria do Livramento aguarda ônibus em frente ao Batalhão da PM com medo. “Depois que as lojas fecham acaba o movimento. Saio de casa com medo de assalto, mas, a gente não pode ficar presa. Ouço muitas reclamações daqui, mas, graças a Deus, nunca aconteceu comigo, estou sempre atenta ao redor”, contou.

Comerciantes. Os comerciantes que trabalham diariamente no local evitam falar sobre o assunto, mas, relatam que assaltos, arrombamentos e roubo de celular, corrente e relógios arrancados à força são comuns na Praça Aristides Lobo. O ambulante Carlos Alberto Farias diz que só se sente seguro durante o dia. “Não é aconselhável ficar até à noite. Não vejo assaltos, mas, de vez em quando é uma briga, um corre-corre de tiros, coisa de drogas”, narrou.

“Os assaltos acontecem do mesmo jeito, os bandidos não se intimidam com a polícia tão perto. Sai na carreira. Outro dia conseguiram prender um casal que tinha assaltado aqui. Medo a gente tem, mas, precisa trabalhar para viver. Tem que ter fé em Deus. De dia é mais sossegado, mas, assim que amanhece e à noite é muito esquisito. Bandido não dorme”, desabafou o comerciante Aílton dos Santos.

Relacionadas