quarta, 23 de setembro de 2020

Policial
Compartilhar:

Acusado confessa ter matado mãe e filha e conta que usou quatro facas

Luana Barros / 05 de outubro de 2015
Foto: Reprodução
Mortas enquanto dormiam e sem nenhum direito de se defender. Foi assim que aconteceu a tragédia no bairro do Grotão, em João Pessoa, na madrugada da última quinta-feira (30), quando Cláudia Bernardino dos Santos, 44 anos, e a filha dela, Vitória Keren Oliveira de Sousa, 14 anos, foram encontradas mortas no quarto da casa onde moravam. O acusado do crime, Juvanildo Marcolino dos Santos, de 49 anos, também conhecido por ''Dinho'', foi preso na noite desse domingo (04) e confessou ter usado quatro facas para matar as duas. Agora, ele diz estar arrependido.

Os detalhes do crime, segundo o delegado titular, Reinaldo Nóbrega, foram extremamente cruéis. "Ele disse que primeiro matou a menina e que a mãe acordou na hora em que ela já estava morta. Então ele matou a mãe também. O acusado usou quatro facas, porque ele disse que como as facas não eram boas então ele pegava outras para matar. Uma delas quebrou e ele pegou outra", relatou.

Reinaldo Nóbrega, disse que durante depoimento o acusado contou com muita tranquilidade como assassinou as vítimas. "Ele negou que sentia atração pela enteada e falou que seu relacionamento com a esposa era muito conturbado, onde sua companheira vinha ameaçando deixar ele e por isso cometeu o crime", disse.

Juvanildo vai responder por duplo homicídio triplamente qualificado, por ter sido um crime doloso, premeditado e as vítimas não tiveram condições de se defenderem. Ele informou, ainda, que Juvanildo vai aguardar o julgamento na Penitenciária Flósculo da Nóbrega (Róger).

O acusado estava sendo procurado pela polícia desde o dia do crime e foi encontrado desidratado pedindo ajuda no bairro da esplanada em João Pessoa na noite anterior, depois de ter passado quatro dias em uma mata nas proximidades do Geisel na capital, a Polícia Militar informou que ele estava debilitado, já que estava há cinco dias sem se alimentar.

Ele já tem passagem pela polícia e foi enquadrado na Lei Maria da Penha.

Leia mais detalhes sobre o crime no jornal Correio da Paraíba de amanhã

 

Relacionadas