domingo, 20 de setembro de 2020

Paraíba
Compartilhar:

Caminho nada livre para caminhar na Avenida Liberdade, em Bayeux

Lucilene Meireles / 13 de janeiro de 2017
Foto: Nalva Figueiredo
Caminhar pelas calçadas da Avenida Liberdade, no município de Bayeux, Região Metropolitana de João Pessoa, exige paciência e sorte dos pedestres. O espaço, que deveria estar livre para quem trafega a pé, é ocupado por placas, veículos estacionados, barras de ferro, material de construção, comércio, mesas e cadeiras e até lixo. Em vários pontos, o pedestre é obrigado a disputar espaço com veículos no meio da rua, colocando a vida em risco. A população reclama que o problema é antigo e espera providências urgentes da nova gestão. Já a Prefeitura informou que vai fiscalizar o problema e, além disso, elaborar um plano de mobilidade para atender a cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida.

O aposentado Lourival Remígio e a esposa Juciara Araújo Marques estavam caminhando com três crianças ontem na principal avenida de Bayeux e reclamaram da situação. “Acontece muito da gente se arriscar e, com criança o perigo é ainda maior”, disse ela. O marido afirmou que tem medo de ser atingido por um veículo, mas é obrigado e ir para a pista porque não tem como passar pela calçada. “Minha vizinha morreu atropela há cerca de dois meses”, lembrou.

Deficiente físico, Antônio Batista dos Santos também teve que abandonar a calçada que estava ocupada por um caminhão. “Em outra situação, um carro quase batia em mim. Ninguém respeita os direitos dos outros. Eu uso muletas e ainda consigo desviar, mas ainda sofro com os buracos. Já um cadeirante não tem condição de passar”, constatou.

Nas vias paralelas, o problema se repete. Na Rua Diógenes Chianca, por exemplo, o dono de um bar espalha mesas e cadeiras sobre a calçada e não sobra espaço para o pedestre. “Eu penso nas pessoas, mas tem pouco movimento aqui e acredito que não interfere tanto como seria na principal. A Prefeitura já veio aqui e o Ministério Público me autorizou a permanecer”, declarou o proprietário, Armando Laranjeira, que já decidiu fechar o estabelecimento dentro de um ano e meio, quando se aposentar.



Não tem plano

Para resolver o problema da falta de plano de mobilidade, as secretarias de Planejamento e Infraestrutura estão trabalhando em conjunto para elaborar um projeto para a mobilidade da cidade. “Com relação ao problema de acessibilidade para os cadeirantes na Avenida Liberdade, o Prefeito Berg Lima tem conhecimento desses problemas . O prefeito reitera o compromisso firmado durante a campanha eleitoral e assim que o projeto de mobilidade urbana for elaborado ele fará as mudanças necessárias para atender não só aos cadeirantes, mas à população como um todo que utiliza as calçadas”.

Sobre a denúncia da ocupação das calçadas, a promessa é que até o final da semana fiscais da prefeitura devem averiguar o problema e buscar de forma conciliadora a retomada dos espaços públicos para os pedestres.

Relacionadas