quarta, 18 de outubro de 2017
Paraíba
Compartilhar:

‘Baleia rosa’ contra-ataca a ‘azul’ e desafia a fazer o bem

Ainoã Geminiano / 21 de abril de 2017
Foto: Divulgação
A internet que ajudou a propagar o jogo da "Baleia Azul", que induz adolescentes ao suicídio, agora está sendo palco de uma espécie de guerra das baleias, com a propagação do jogo da "Baleia Rosa", com missões do bem a serem cumpridas pelos participantes. Após vários registros de adolescentes tirando a vida, ao cumprir as missões do primeiro jogo, agora o público infanto-juvenil está sendo desafiado a cumprir missões como "sair na rua e fazer uma amizade" e "ajudar um idoso a atravessar a rua".

A página da Baleia Rosa foi lançada no Facebook, onde o jogo da Baleia Azul ganhou notoriedade. A página oficial do chamado "jogo do bem" (www.baleiarosa.com.br), traz a assinatura do Centro de Valorização da Vida (CVV), que lançou as assinaturas eletrônicas @eusoubaleiarosa e #baleiarosa como uma estratégia de contra-ataque ao jogo de estímulo suicida. Até o final da tarde de ontem, a página da Baleia Rosa no Face já tinha mais de 215 mil curtidas. Na galeria de fotos, estão postadas as tarefas a serem seguidas pelos jogadores.

Na Paraíba, apesar de continuarem surgindo novos relatos de envolvimento com o jogo suicida, começam a surgir estratégias de prevenção, a exemplo de um ciclo de palestras iniciado ontem, feitas por policiais e integrantes da Associação Internacional de Crimes Cibernéticos. "Ontem visitamos a primeira unidade, um colégio privado aqui da Capital, mas temos uma programação de visita o maior número possível de colégios, explicando para as crianças como funcionam os crimes da internet, como acontece a sedução dos internautas e como elas devem proceder para não serem iludidas por ameaças ou qualquer que seja o tipo de pressão", explicou o coronel Arnaldo Sobrinho, coordenador do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), que participa da mobilização.

Casos suspeitos da Baleia Azul

Ontem, novas suspeitas de adolescentes se mutilando e tentando tirar a vida chegaram ao conhecimento da polícia. "Ontem recebemos a notificação de um caso em uma escola que fica no bairro do Cristo Redentor, na Capital, mas na averiguação, nada foi confirmado. Também recebemos informes de que um garoto teria se matado, no interior do Estado, mas igualmente não se confirmou. Agora, com a publicidade do jogo, é possível que surjam muitas associações de casos com a Baleia Azul, mas é preciso ter cuidado para que tudo não seja atribuído ao jogo, quando muitas vezes não há relação", disse o coronel Arnaldo Sobrinho, que lançou o alerta contra o game, aqui na Paraíba.

Relacionadas