sexta, 22 de janeiro de 2021

Meio Ambiente
Compartilhar:

Sistema Correio firma parceira com MPF em favor da revitalização do rio Gramame

Bruna Vieira / 23 de fevereiro de 2017
Foto: Nalva Figueiredo
Ontem pela manhã, o Sistema Correio de Comunicação recebeu autoridades ambientais e firmou parceria com o Ministério Público Federal em prol da revitalização do Gramame. Até o final de março, o Fórum Permanente de Proteção do Gramame estará com inscrições abertas para a escolha da logomarca do selo de sustentabilidade socioambiental, que futuramente certificará empresas e instituições que desenvolvam projetos para preservação do manancial. Estudantes e Organizações da Sociedade Civil dos municípios que integram as bacias do Gramame e Abiaí podem criar propostas de selo e concorrer a até R$ 3 mil.

O superintendente do Sistema Correio de Comunicação, Alexandre Jubert, destacou a importância do tema para a população e a divulgação da campanha pelo Sistema. “A campanha de recuperação do Gramame é muito importante para que as pessoas e empresas contribuam para a permanência viva desse rio e as que possuem um trabalho social em prol dele, sejam reconhecidas através do selo. Damos importância porque é uma coisa de muita valia para esse rio que já foi muito machucado. O que pudermos fazer para ajudar a contribuir nessa e outras ações faremos, através da Fundação Solidariedade também. Temos que abraçar as boas causas”, ressaltou.

O Selo de Proteção ao Gramame certificará instituições públicas e privadas, empresas, organismos e instituições do terceiro setor que não tenham registro ou procedimento irregular em relação ao rio, estejam ambientalmente adequadas, com as obrigações legais regulares e executarem projeto de revitalização da bacia.

“A UFPB está estudando os fatores de poluição do rio e a qualidade da água. Temos duas preocupações, a qualidade e quantidade da água, estamos detectando cada vez mais nascentes devastadas e assoreamento. A campanha chama todas as escolas e universidades da rede pública e privada. A ideia principal é a questão da educação ambiental e é importantíssimo que come nas escolas”, enfatizou o procurador da República, José Godoy.

Problemas persistem. Jânia Pala de Carvalho, gestora de projetos da ONG Escola Viva Olho do Tempo, na comunidade de Mituaçu, convive de perto com o Gramame e atesta que os problemas persistem. “Os três maiores problemas que poluem o rio e matam a biodiversidade são o uso abusivo de agrotóxico, o desmatamento e a indústria. O selo usa da ludicidade com as crianças e ajuda a indústria a entender que pode ganhar dinheiro respeitando o meio ambiente, num processo educacional. Foi resultado de muita articulação com a comunidade, fruto de uma grande luta, chamando atenção da população, já que abastece 70% da região. A bacia está muito preocupante, vem sofrendo a morte dos olhos d’água por causa do crescimento imobiliário e uso de agrotóxico forte, perdendo patrimônio cultural, material e imaterial. O rio não é só recurso hídrico, existe vida e cultura ao redor dele e a degradação também elimina o saber”, apontou.

Participaram da reunião na Diretoria do Sistema Correio, o procurador da república, José Godoy; o superintendente do Ibama, Thiago Maranhão; o superintendente da Sudema, João Vicente Machado; o secretário de Meio Ambiente de João Pessoa, Abelardo Jurema e a coordenadora da ONG Escola Viva Olho do Tempo, Jânia Paula de Carvalho.

Relacionadas