terça, 26 de janeiro de 2021

Meio Ambiente
Compartilhar:

Mata atlântica da PB vira refúgio de primatas em extinção

Katiana Ramos / 11 de fevereiro de 2018
Foto: Rafael Passos
A Paraíba concentra 56% das localidades com registro de primatas das espécies macaco-prego galego e guariba de mãos ruivas do Nordeste. As duas espécies estão em extinção e, além da Paraíba, há registros nos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e Alagoas. As informações são do último levantamento feito pelo Centro de Endemismo Pernambuco e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Na Paraíba tanto o macaco-prego galego quanto o guariba de mãos ruivas habitam fragmentos da Mata Atlântica situados na região litorânea do Estado, sendo a presença da primeira espécie a mais predominante, conforme apontam as pesquisas do ICMBio.

“Eu arriscaria dizer que a sobrevivência dessas duas espécies passa pela Paraíba. Não são muitas localidades que têm essas espécies. O macaco-prego galego tem em torno de dois mil indivíduos no Nordeste todo. O guariba de mãos ruivas tem menos e uma particularidade deles é que a maior parte está no Pará e em parte do Maranhão e na Amazônia”, explicou o coordenador do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Primatas Brasileiros do ICMBio, Leandro Jerusalinsky.

Na ‘escala da extinção’, o pesquisador lembrou ainda que o guariba de mãos ruivas é considerado vulnerável. Já o macaco-prego galego está em perigo de extinção. E o que contribuiu para que esses primatas chegassem ao risco de desaparecerem foi o desmatamento, o que promoveu, de certa forma, o isolamento dos poucos indivíduos em fragmentos de floresta.

“Os macacos brasileiros precisam das florestas para sobreviver. Então, com o grande desmatamento que o país tem sofrido, tivemos uma grande perda de habitat de macacos. Da Mata Atlântica, a gente já perdeu 90% do habitat dos macacos. Então, o que restou está pulverizado em pequenas ilhas de florestas”, reforçou Leandro Jerusalinsky.

Relacionadas