segunda, 25 de janeiro de 2021

Meio Ambiente
Compartilhar:

Comissão de Bem-Estar Animal da UFPB denuncia a morte de 20 gatos em 17 dias no Campus I

Aline Martins / 15 de março de 2017
Foto: Assuero Lima
Do sábado de Carnaval até a última segunda-feira, a Comissão Bem-Estar Animal da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) registrou a matança de 20 gatos por envenenamento no Campus I, em João Pessoa. Em janeiro de 2015, quase a mesma quantidade (23) também foi morta por substância venenosa. Apesar de ser crime, conforme a lei 9.605/98, todos os dias, animais são abandonados nos campi da instituição em todo o Estado. A Comissão está com uma petição pública na internet para cobrar da reitoria da UFPB políticas públicas urgentes como, por exemplo, a implantação de câmeras de monitoramento, que identificariam tanto os autores do abandono como do assassinato. O caso foi registrado na Polícia Civil.

A maior concentração de animais é no campus I, na Capital. “Todo dia morre um e são abandonados quatro ou cinco”, comentou o vice-presidente da Comissão Bem-Estar Animal da instituição e presidente da Comissão dos Direitos dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Paraíba (OAB-PB), Francisco José Garcia Figueiredo. Ele frisou ainda que a chacina maior aconteceu no Carnaval (17), onde foram encontrados gatos mortos no Centro de Comunicação, Turismo e Artes (CCTA), em João Pessoa. Francisco José revelou que os laudos feitos nos corpos dos animais comprovaram que todos foram envenenados.

“Mandamos o corpo para Areia, que tem o curso de Veterinária, e o veterinário responsável pela necrópsia encontrou o chumbinho no estômago do animal”, revelou. Segundo o vice-presidente da Comissão Bem-Estar Animal da UFPB e presidente da Comissão dos Direitos dos Animais, o chumbinho é uma substância proibida de ser fabricada e de ser comercializada e mesmo assim, alguém compra e leva para dentro da universidade e comete atos criminosos. “Todos os dias morrem animais na UFPB. Morrem em Educação Física, na Central de Aulas, no bloco de Estatística e Matemática, em Química, enfim, todos os dias a gente tem notícia algum animal”, afirmou.

Os autores dos crimes ainda não foram identificados e por conta disso, a Comissão está com uma petição pública para cobrar da reitoria políticas a serem implementadas pela UFPB dentro dos campi no Estado. “Medidas para que sejam minimizados pelo menos os abandonos e a mortandade. Uma medida muito boa seria a implantação de câmeras”, frisou.

Leia Mais

Relacionadas