terça, 21 de maio de 2019
Cidades
Compartilhar:

Justiça autoriza PMJP a fazer reparos na Estação Ciência

Ellyka Gomes / 10 de fevereiro de 2019
Foto: Rizemberg Felipe
A Prefeitura de João Pessoa foi autorizada pela Justiça a realizar as obras de reparo na Torre Mirante da Estação Cabo Branco - Ciência, Cultura e Artes, localizada no bairro do Altiplano. Além de abrigar amplo espaço para exposições permanentes e temporárias, o edifício conta com um terraço panorâmico, que oferece uma das mais belas vistas para as praias urbanas da Capital. O acesso ao prédio principal está fechado há cerca de dois anos, em virtude de pendências na execução do projeto e problemas relativos à construção, que, com o tempo, comprometeram a estrutura física do edifício e passaram a apresentar riscos aos visitantes.

A reportagem do jornal CORREIO teve acesso ao processo movido pela Prefeitura de João Pessoa contra a Via Engenharia S/A - empresa responsável pela construção da Estação Ciência. De acordo com os autos, em 2010, a Via reconheceu a existência de erros na obra e se comprometeu a realizar os reparos, embora tenha alegado que os vícios foram decorrentes ao projeto arquitetônico. Uma reforma foi realizada, mas, logo depois, surgiram novas falhas.

A Secretaria de Infraestrutura de João Pessoa (Seinfra) notificou a empresa, mas esta informou que não executaria os serviços, pois não teria equipamentos e nem profissionais na Capital paraibana. A sede da Via Engenharia fica localizada em Brasília. Posteriormente, em 2017, novos problemas, em outros pontos da Estação Ciência, foram identificados, e novos comunicados foram enviados para a Via. No entanto, a empresa declarou que estaria “revogada disponibilidade em executar a referida obra”.

Em outras palavras, a empresa informou que não iria resolver os impasses de forma consensual. Um ano depois, em novembro de 2018, a Prefeitura de João Pessoa moveu uma ação judicial contra a Via Engenharia, pedindo a autorização para realizar os reparos necessários na estrutura da Estação Ciência, sendo os custos ao final ressarcidos pela Via. O valor da reforma foi orçado em R$ 3.040.854,75.

A reportagem entrou em contato com a Via Engenharia por e-mail e ligou para os quatro telefones que constam na página da empresa na internet. No entanto, até o fechamento desta edição, as ligações não foram atendidas e não tivemos retorno por e-mail em relação ao posicionamento da empresa no caso.

Liminar



No mês passado, a juíza da 6ª Vara de Fazenda Pública da Capital, Silvana Carvalho Soares, concedeu uma liminar favorável à gestão municipal, mas a decisão cabe recurso. A secretária da Seinfra, Sachenca Bandeira, informou que um processo licitatório será aberto em até 90 dias para a escolha da empresa que vai realizar os reparos. “A expectativa é de que a obra comece em aproximadamente 120 dias”, revelou.

Autos do processo apontam erros na execução do projeto



De acordo com os autos do processo, os erros na execução do projeto da Torre Mirante da Estação Ciência causaram problemas na fachada de vidro, no piso do terraço panorâmico e na rampa que dá acesso ao edifício.

Além desses, também foram identificados sinais de infiltração na laje do Anfiteatro, da Lanchonete, do Auditório, da Guarita e do Centro de Práticas Educacionais.

Segundo a reportagem apurou junto aos funcionários da Estação Ciência, a queda de uma das placas de vidro da fachada foi o que motivou a administração do local interditar totalmente a Torre Mirante. De acordo com a avaliação dos técnicos da Seinfra, as placas caíram devido à má fixação dos painéis nos fixadores de alumínio.

Quando o visitante se aproxima da rampa de acesso à Torre Mirante, consegue ver várias placas rachadas.

“A maneira como os vidros foram fixados não permite a movimentação das peças, deixando a estrutura muito rígida para suportar a ação das condições climáticas”, diz o laudo técnico. O terraço panorâmico, localizado na cobertura da Torre Mirante, apresenta sinais de infiltração. Quando chove, bolsões de água se acumulam pelo piso. Algumas placas do piso do terraço se soltaram e outras racharam. Também foram identificados vazamentos na escada que dá acesso ao segundo piso e ao terraço, bem como no teto do terceiro pavimento.

Estação Cabo Branco / Estrutura

Possui mais de 8.500m² de área construída;

Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer;

Inaugurado em julho de 2008;

Valor da obra: R$ 31.711.412;

Horário de funcionamento: de terça à sexta, das 9h às 18h; e sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h.

Turistas se dizem frustrados



A cena é comum: o visitante vai em direção à Torre Mirante da Estação Cabo Branco - Ciência, Cultura e Artes, mas é alertado por um vigilante que o acesso ao prédio está fechado para reforma. No entanto, no local não há nenhuma publicidade sobre a obra. As informações imprecisas em relação aos problemas estruturantes do edifício deixam os visitantes impacientes.

O comerciante Eduardo Pimentel, que levou a família para passear na Estação Ciência, na última quinta-feira, ficou muito frutrado. “O Anexo tem exposição, mas o espaço é pequeno, nem se compara ao prédio principal”, acrescentou.

As irmãs Iara e Raquel Gonzaga vieram de Salvador passar férias em João Pessoa e foram conhecer a Estação Ciência acompanhadas da amiga paraibana Ana Helena. Ana também não sabia que a Torre estava fechada. “É frustrante. Você vem com a expectativa de conhecer um ponto turístico e o encontra fechado”, comentou Raquel. “Sem falar que não tem nenhum informativo sobre a reforma”, acrescentou Iara.

Diretoria diz que sinalizou



A diretora da Estação Ciência, Mariane Góes, informou que a administração sinalizou o acesso restrito à Torre com cones e orientou que os funcionários informassem a população sobre a reforma do prédio. Mas os próprios funcionários da Estação Ciência garantiram que não contam com detalhes da situação.

“Não sabemos nada sobre a reforma. As pessoas olham, não veem nada acontecendo, perguntam quando o prédio vai reabrir, mas não sabemos de nada”, contou uma funcionária que preferiu não se identificar. Quanto à falta de uma placa publicitária, Mariane Góes, explicou que, como a situação da reforma estava na Justiça, não teria como colocar um informativo.

A assessoria de imprensa da Estação Ciência ressaltou que as atividades no complexo estão acontecendo normalmente. As exposições temporárias estão sendo realizadas no Anexo e na Estação das Artes (espaço inaugurado em 2012). O local funciona de terça à sexta, das 9h às 18h; e sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h.

Relacionadas