quinta, 19 de outubro de 2017
Cidades
Compartilhar:

Jovem tem parto de emergência, homem morre e grávida é internada com suspeita de H1N1

Fernanda Figueirêdo/Ainoã Geminiano / 07 de abril de 2016
Foto: Arquivo
Mais um pessoa morreu com suspeita de infecção pelo vírus da gripe H1N1, na Paraíba. A vítima era um paciente da cidade de Condado, que estava internado na UTI do Hospital Regional de Patos. Outra paciente de 17 anos estava grávida e com sintomas de síndrome respiratória aguda grave e foi transferida do Sertão para Campina Grande, onde foi feita uma cesariana de emergência.

A paciente, natural de Maturéia, estava com quadro clínico sugestivo de HIN1 e com 36 semanas de gestação (a gravidez de 9 meses dura 40 semanas). A jovem foi transferida na terça-feira, da cidade de Patos para o Instituto Elpídio de Almeida, em Campina Grande, onde foi submetida ao parto cirúrgico.

“Optamos pela interrupção da gestação para que o útero crescido não atrapalhasse seu problema respiratório. O bebê está bem, mas o estado de saúde da mãe é muito grave. Os exames laboratoriais para confirmação da doença já foram feitos e encaminhados para o laboratório”, disse o diretor do Isea, Antônio Henriques.

Já sobre o paciente de 49 anos, que morreu em Patos, o diretor do Hospital Regional de Patos, Leudo Farias, informou que o corpo foi enviado para João Pessoa, onde seriam realizados exames clínicos mais detalhados para comprovar a causa da morte. “Não posso detalhar informações do paciente enquanto não houver confirmação da doença”, disse.

A Secretaria de Estado da Saúde não tinha recebido as notificações desses dois casos. Segundo a gerente de Vigilância Epidemiológica da Paraíba, Isabel Sarmento, apesar do aumento constante no número de notificações, a situação está controlada no Estado.

Sobre a morte de uma jovem com H1N1, confirmada pela Secretaria Municipal de Saúde de CG, anteontem, ela disse: “Aparentemente, ela não pertencia aos grupos de risco, mas ainda precisamos investigar se ela tinha outra doença de base, comordidade ou se era saudável”.

Vírus chegou mais cedo, este ano

Embora o vírus, este ano, tenha chegado mais cedo, as autoridades de Saúde da Paraíba descartam iniciar a campanha de vacinação antes do Dia D, 30 de abril. Clínicas particulares prometem que até a próxima semana devem disponibilizar o imunizante. Ontem, em Campina Grande, pessoas formaram filas só para reservar a vacina em alguns serviços.

Medicamento

O remédio antiviral oseltamivir, usado contra a gripe A (H1N1) e vendido no Brasil com o nome comercial Tamiflu, segundo a gerência de Vigilância Epidemiológica, Isabel Sarmento, só é repassado para população através do Ministério da Saúde e com receita médica. Não tem em farmácias.

Leia Mais

Relacionadas