sexta, 18 de setembro de 2020

João Pessoa
Compartilhar:

Sem teto e sem energia: manifestantes e policiais se confrontam durante protesto em JP

Luana Barros / 03 de maio de 2016
Foto: Assuero Lima e Mislene Santos
Um grupo de sem teto que ocupam o antigo Hotel Tropicana realizaram um protesto nesta terça-feira (03) para reclamar sobre o corte de energia feito no local onde vivem cerca de 100 famílias. Durante a manifestação foram queimados pneus e até colchões bloqueando as ruas que dão acesso à Praça Venâncio Neiva e provocando congestionamento. Um dos momentos mais críticos do ato foi quando manifestantes e Polícia Militar se confrontaram. Os policiais dispararam tiros de balas de borracha e spray de pimenta para impedir que a barreira construída pelo grupo fosse espalhada por outras vias do local. No momento do confronto, um homem foi atingido por uma bala na perna e uma criança pelo spray. De acordo com a Energisa, o corte no fornecimento de energia ocorreu porque as ligações existentes no prédio são irregulares.

Um das moradoras do local ocupado, Maria Aparecida, contou que o corte na energia ocorreu desde domingo (01) e não houve aviso prévio. "Moro no Castelinho há três anos e só vivo aqui porque não tenho para onde ir. Eles garantiram que não iriam cortar mais a nossa energia e já faz  três dias que estamos sem energia. Eles arrancaram os fios e nem se quer nos avisaram que iriam cortar, perdi tudo que eu tinha de eletrodoméstico”, relatou.

Ana Carla Bezerra da Silva, também moradora do local, informou que a vida dos moradores ficou ainda mais complicada com o corte no fornecimento. “Estamos perdendo tudo dentro de casa, nós religamos a energia e eles vão lá encapuzados e puxam todos os fios, tinha muitas crianças e eles disseram que quer que todo mundo morra queimado. Sem energia não conseguimos ver nem o chão de tão escuro que fica, e aqui moram crianças, idosos, pessoas doentes que não podem ficar sem energia”, falou.

De acordo com o integrante do Movimento Terra Livre, Thiago Lima, essas famílias continuam ocupando o antigo Hotel Tropicana, porque não conseguiram ainda ter acesso a projetos de habitação existentes na cidade. “Já entraram com ação de reintegração de posse, esse não é o primeiro corte de energia que acontece na ocupação, a Policia frequentemente se dirige até a área, existem relatos dos moradores de maus tratos, a nossa reivindicação é que a energia seja religada pelo menos até a prefeitura cumprir o seu papel de destinar as moradias para a população mais necessitada e mais pobre de moradia”, explicou.

IMG_3862

Ligação clandestina oferece perigo

Em nota, a Energisa informou que o fornecimento de energia para o antigo Hotel Tropicana foi suspenso por se tratar de imóvel invadido e ocupado irregularmente pelas famílias. No local, segundo a empresa, foram detectadas ligações elétricas clandestinas, com grave risco de choque elétricos e incêndios.

“A ligação clandestina é crime previsto no Código Penal e causa prejuízo para todos os clientes, os ocupantes do imóvel, principalmente idosos e crianças, e também de pedestres que utilizam a calçada em sua volta, conforme aponta relatório emitido desde o ano passado pelo Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba. O documento demonstra, com nitidez, a péssima situação do local, em especial às instalações elétricas, que podem propiciar facilmente incêndios e acidentes por choque elétrico”, diz a nota.

Moradores devem ser selecionados até agosto

Socorro Gadelha, Secretária de Habitação do Município, confirmou que os sem teto que vivem no antigo Hotel Tropicana deverão ter acesso às moradias nas quais estão inscritas até o mês de agosto deste ano. “Essas pessoas já fizeram cadastros e já foram selecionadas. Elas vão morar no residencial vista alegre no bairro de Gramame próximo ao colinas do sul, estamos com a expectativa  de entregar até junho, mas o cronograma vai até o final de agosto deste ano, inclusive já tivemos reunião com a AGU e o Ministério Público Federal", falou.

Relacionadas