terça, 11 de dezembro de 2018
João Pessoa
Compartilhar:

Reforma na região da Villa Sanhauá deve reverter abandono no Centro

Aline Martins / 22 de maio de 2018
Foto: Alessandro Potter/Secom-JP
Morar na área histórica de João Pessoa significa ter maior oportunidade de acesso aos diversos serviços e comércios disponíveis durante o dia. Por outro lado, ao cair da noite, os fluxos de pessoas reduzem e quem ainda mora convive apenas com o barulho dos poucos veículos que passam pelo local. No entanto, esse conceito de Centro Histórico abandonado e mal conservado deve ser alterado com a entrega da reforma dos oito

casarões que compõem a Villa Sanhauá, na Rua João Suassuna, no Varadouro. Para alguns comerciantes e moradores da localidade, a revitalização trará diversos benefícios como aumento de turistas, aumento do incentivo a cultura e mais ‘vida’.

A reforma das 17 unidades habitacionais e seis estabelecimentos comerciais está previsto para acontecer no próximo mês antes do São João. Ontem, os cessionários assinaram o termo de cessão e permissão de uso dos espaços – última etapa antes da entrega oficial das chaves dos imóveis.

Para o comerciante Marcos Barbosa Souza, 53 anos, que tem um ponto comercial próximo a Villa Sanhauá há 32 anos, acredita na mudança. “Vai ter mais vida, mais turismo e o comércio vai melhorar muito”, afirmou. Ele acompanhou de perto as alterações na área histórica e as perdas do interesse por parte de moradores e de investidores. “Quando eu cheguei aqui tinha muitas pousadas, uma fábrica de gelo e um posto de combustível na Praça Antenor Navarro, mas com o tempo isso foi desaparecendo. Com esse incentivo do poder público, acho que isso vai mudar. Vão ter pessoas para morar e mais comércios”, ressaltou. A aposentada Rita da Silva, 52 anos, destaca as vantagens e desvantagens de morar nessa área. “Se você mora no centro histórico você encontra tudo perto se quiser comprar algo, mas durante a noite é mais difícil. Tudo fica fechado. Tem pouco movimento, fica mais inseguro porque não tem movimento, mas com a reforma dos casarões isso deve mudar”, afirmou.

Maria de Lourdes Vitor, 57 anos, mora no Centro há bastante tempo. “Eu gosto de morar no Centro porque é muito tranquilo, mas faltava um olhar sobre os casarões antigos que estavam abandonados. Agora podemos sem dúvidas dizer que vai habitar o que importante para a área histórica, a cultura”, frisou. Aqueles que vão trabalhar ou morar acredita também na mudança e na valorização do local. Andrea Lipardi, que é uma das cessionárias de uma habitação no Villa Sanhauá e eleita para ser síndica, trabalha com o turismo e vive a história do Centro da Capital cotidianamente. Carioca de origem, ela almejava desde criança uma casa no Centro histórico. Já há alguns anos morando na Capital a oportunidade surgiu e correu atrás. “Eu estava qualificada a fazer a inscrição e esse foi o meu intuito de realmente morar em um lugar em que eu tanto acredito, que eu falo dessa história, que eu vivo essa história no meu dia-dia e que eu tenho tanto amor e paixão pela Paraíba”, frisou, destacando a necessidade de mudar o conceito de parte histórica antiga e mal conservada.

Cessionários assinam termo



Os novos ocupantes da Villa Sanhauá terão a cessão de direito real de uso onerosa de 20 anos, podendo ser prorrogada. Já a permissão das unidades comerciais será de um ano, também prorrogável. Ontem eles assinaram o termo de uso e de permissão do espaço.

Os casarões foram construídos em 1934 e agora serão espaço de efervescência cultural da Cidade Criativa da Unesco. Todo o projeto, vanguardista no País, foi inteiramente elaborado por técnicos da Secretaria de Habitação Social (Semhab) e teve as obras iniciadas em 12 de julho do ano passado com recursos próprios da administração municipal.

Para o prefeito Luciano Cartaxo a revitalização dos casarões faz parte de uma gestão inovadora da cidade. “Enfrentamos grandes desafios históricos da nossa capital e hoje estamos felizes porque estamos aqui no Centro Histórico, Villa Sanhuauá, concluindo a penúltima etapa desse projeto todo. Agora é a assinatura dos contratos das pessoas que vão morar, os novos inquilinos e das pessoas que vão trabalhar. É uma data muito especial”, afirmou, acrescentando a qualidade da moradia que será ofertada assim como os prédios comerciais. Além do prefeito, também participaram da solenidade de assinatura, o deputado Pedro Cunha Lima, o senador Cássio Cunha Lima e o secretários de Habitação.

Andrea Lipardi – cessionárias no Villa Sanhauá e síndica



“Nós queremos que essa área pare de ter essa cara de velha, abandonada e antiga. Nós vamos nos unir a Associação de Moradores daqui também. Já existe um projeto de revitalização do Porto do Capim que a gente quer incentivar a Prefeitura para que esse projeta aconteça como o nosso aconteceu. Aqui terá comércio. Para mim que trabalha com turismo, já vivo aqui, já trago meu turista para cá”.

Luciano Cartaxo - prefeito



“Tenho certeza que estamos transformando nosso Centro Histórico em um pólo turístico, econômico e cultural muito forte. João Pessoa tem um potencial para isso e também estimulando a incentiva privada para dê passos importante como o poder público que está dando no Centro da cidade”.

Cássio Cunha Lima – senador



“Nosso prefeito é uma pessoa muito inteligente, porque ele faz um projeto onde escolhe dentro de um edital, as pessoas que melhor cuidariam deste local. E quem melhor para cuidar de um patrimônio histórico, do que nós que estamos diretamente ligados à cultura, que temos consciência do que é esta preservação. Já estou pronta para vir morar aqui, na moradia de artistas, de pessoas altamente competentes e que são muitas vezes escanteadas da vida pública”.

Relacionadas