segunda, 14 de outubro de 2019
João Pessoa
Compartilhar:

João Pessoa contabiliza estragos e previsão é de possibilidade de chuva

Lucilene Meireles / 15 de junho de 2019
Foto: Assuero Lima
Após dois dias de chuva intensa em João Pessoa e Região Metropolitana, a previsão para este sábado (15), segundo a Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa-PB), é de nebulosidade variável com possibilidade de chuvas no Litoral do Estado. No domingo, também podem ocorrer chuvas, mas não há nenhum alerta de precipitações mais intensas.

O meteorologista da Aesa, Danilo Cabral, explicou que o último aviso meteorológico com previsão de chuvas mais intensas vale até as 5h30 de hoje. “Para o final de semana, a previsão é de nebulosidade variável e é possível a ocorrência de episódios de chuvas no setor Leste”, disse.

Nessa sexta-feira foi dia de contabilizar os estragos causados em decorrência da chuva em alguns pontos da Capital. Nas áreas ribeirinhas, os moradores acordaram com a água dentro de casa. Pela manhã, alguns trechos estavam intransitáveis, a exemplo da Avenida Tito Silva, que liga os bairros do Castelo Branco a Miramar. Quem mora na localidade teve que se desdobrar para salvar seus pertences. No quilômetro 19 da BR-230, parte da barreira desmoronou sobre a pista durante a madrugada, interditando o trânsito no sentido João Pessoa - Cabedelo. Na iminência de desabar, as casas que ficavam sobre a encosta foram desocupadas pela Defesa Civil e demolidas ainda ontem.

Com a interdição na rodovia, os veículos precisaram fazer um desvio pela Avenida Dom Pedro II. Até o final da manhã de ontem, não havia previsão para liberação da pista. Segundo a inspetora Keila Melo, da Assessoria Regional de Comunicação Social, da Polícia Rodoviária Federal (PRF-PB), o trânsito só voltaria a passar no local após a demolição dos imóveis. “As casas que estão localizadas em cima do ponto de desmoronamento estão ameaçando cair. A Defesa Civil conversou com os moradores, informando da necessidade da demolição”, explicou.

“Temos seis famílias que estão nessa crista, na ameaça das casas desabarem. Como prevenção, vamos retirá-las antecipadamente para fazer a demolição. A equipe social da Sedes (Secretaria de Desenvolvimento Social) também atua no convencimento, com psicólogo, para avançarmos no processo. Foi um volume de água bastante expressivo que causou esses fatos”, observou Alberto Sabino, diretor de Minimização de Desastres e coordenador adjunto da Defesa Civil de João Pessoa.

Ainda na manhã de ontem, uma árvore caiu na ladeira da barreira do Cabo Branco que liga a Avenida João Cirilo – na altura do Paço dos Leões – à Rua Edvaldo Bezerra – por trás do Food Park. O trânsito foi interditado no local.

Apesar de não haver pontos com risco de desabar, a preocupação da Defesa Civil ontem era com as áreas alagadas. No bairro São José, onde os moradores ficaram ilhados e usaram pequenas canoas como meio de transporte, as famílias foram relocadas para uma escola nas proximidades. Na ladeira Tito Silva, a água invadiu casas e foi disponibilizado abrigo para as famílias. Alagamento também na ladeira que liga o bairro do Valentina a Mangabeira. Nas Três Lagoas, que é considerado um ponto crítico, a drenagem estava obstruída e água também avançou dentro das casas.

“Vamos continuar monitorando esses locais, até porque os indicativos são de chuva”, declarou o coordenador adjunto da Defesa Civil. De acordo com ele, durante a madrugada de ontem, houve apenas o chamado por conta do deslizamento, e ainda nos pontos de alagamento nas áreas ribeirinhas.

“Um fato agravante também que se associa a isso é a condição da maré. Nós tivemos 352 milímetros de chuva com influência da maré de 2,2 metros. Isso retarda o escoamento para os rios e oceano. Os rios urbanos permanecem cheios e atingem as casas”.

Emergência

Defesa Civil de João Pessoa - 0800 285 9020

Defesa Civil da Paraíba – 199

Corpo de Bombeiros - 193.

Bombeiros



Bombeiros militares da Paraíba realizaram resgates de vítimas das chuvas em áreas inundadas de João Pessoa. Desde a quinta-feira, dia 13, 50 pessoas foram resgatadas ou afastadas de local de perigo iminente.

Entre elas, foram 11 crianças, oito idosos, um adolescente recém-cirurgiado e outro acamado.

Durante toda a quinta-feira e madrugada de ontem, os bombeiros militares atuaram no resgate de vítimas que estavam ilhadas nas próprias casas devido às chuvas em áreas como o bairro São José, Comunidade São Rafael e Miramar.

Dicas do Corpo de bombeiros



- Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia.

- Observe alteração nas encostas.

- Permaneça em local abrigado.

- Em caso de inundação, proteja seus pertences da água envoltos em sacos plásticos.

Relacionadas