quarta, 12 de maio de 2021

João Pessoa
Compartilhar:

Bike sem barreiras para portadores de deficiência

Bárbara Wanderley / 07 de setembro de 2018
Foto: Nalva Figueiredo
“É uma sensação de liberdade”. Foi assim que a estudante Kezia Ferreira descreveu seu primeiro passeio de bicicleta, realizado na manhã de ontem, no Parque Solon de Lucena, em João Pessoa. Ela foi uma das primeiras usuárias do projeto ‘Bike sem barreiras’, que vai disponibilizar gratuitamente, aos domingos, bicicletas adaptadas para uso de pessoas com deficiência. Inaugurado ontem, o projeto é uma parceria da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), Uninassau e do Instituto ser Educacional.

Kezia, que se tornou cadeirante devido à paralisia infantil adquirida com pouco mais de um ano de idade, ficou entusiasmada com o projeto que irá beneficiar pessoas que, assim como ela, não têm a possibilidade de usar uma bicicleta normal. “Achei o máximo”, disse.

Ela contou que já havia tido a oportunidade de andar em uma bicicleta adaptada, mas por medo de cair, não levou a aventura adiante. “Essa bike é mais moderna”, afirmou, explicando que sentiu mais segurança dessa vez e conseguiu completar o passeio. Kezia garantiu que pretende continuar usando o serviço, que será disponibilizado todos os domingos, das 8h às 12h, em frente às paradas de ônibus do Parque Solon de Lucena.

As bicicletas vão atender a pessoas com paraplegia, lesões medulares, deficiência visual e mielomeningocele, um problema relacionado à espinha dorsal. Cada bike tem um modelo diferente. A The Duet poderá ser utilizada por todos, suportando até 120 kg. A Handbike é destinada a usuários com lesões baixas e a Bicicleta Dupla para deficientes visuais, possibilitando que um monitor acompanhe o ciclista como guia.

A primeira-dama de João Pessoa, Maísa Cartaxo, e a diretora pedagógica da Uninassau João Pessoa, Flávia Simonassi, são as madrinhas do projeto, que é permanente. De acordo com o superintendente de Mobilidade Urbana de João Pessoa, Adalberto Araújo, a parceria é mais uma forma de garantir inclusão e acessibilidade a todos os públicos. “A obra do Parque da Lagoa teve toda uma preocupação de garantir espaços de inclusão, que acolhesse todos os públicos de forma eficiente e agora podemos dar mais um passo nesse sentido”, afirmou.

Relacionadas