sábado, 06 de março de 2021

Cidades
Compartilhar:

Hospital Napoleão Laureano luta para sair do ‘vermelho’ e Corrida do Bem incentiva doação

Francisco Varela Neto / 06 de outubro de 2017
Foto: Divulgação
O Hospital Napoleão Laureano, referência no tratamento de câncer na Paraíba, vive diariamente lutando para sair do 'vermelho'. Por ser uma unidade de saúde filantrópica, depende da doação das pessoas e dos governos. As finanças do hospital vivem em situação crítica e precisam sempre que a sociedade seja incentivada a doar. E, neste mês de outubro, o Laureano ganhou um reforço neste sentido. A 1ª Corrida do Bem, que será realizada neste domingo (8), vem cumprindo esse papel de conquistar o apoio de todo cidadão para contribuir com o hospital.

Leia também: Golpe contra as boas ações: saiba como doar ao Laureano sem cair nas mãos de criminosos

A 1ª Corrida do Bem de João Pessoa, que foi lançada pela Frente Parlamentar de Combate ao Câncer da Assembleia Legislativa da Paraíba, tem parceria com a Fundação Hospital Napoleão Laureano e todos os recursos angariados com a corrida serão revertidos para a unidade de saúde. De acordo com o médico Fernando Antônio de Carvalho, diretor Clínico do hospital, a iniciativa é muito importante, no sentido de que as pessoas tenham o conhecimento de sua importância.

"A corrida é importante para o hospital, mas o mais importante é que o hospital foi a rua,o povo vai tomar consciência da importância do Laureano. No domingo nós vamos colocar tendas lá na praia para orientar a respeito do câncer, do tabagismo, então isto é importante demais. O Laureano é um hospital que não pertence a ninguém, ele é um patrimônio do povo da Paraíba", explicou.

Segundo ele, os aumentos aconteceram em todas as áreas, no entanto o hospital ainda sobrevive com o que se recebia a três anos. "Para você ter uma ideia, durante este período, nós tivemos só de medicamento, aumento de 33,5%, fora aumento de funcionários, aumento de água, aumento de luz, aumento de manutenção de equipamentos, e todos os equipamentos lá a manutenção é dolarizada porque quando quebra uma peça, são todas importadas. Então nós estamos vivendo com o que recebíamos a três anos e meio atrás. então veja você a dificuldade que nós estamos enfrentando para manter aquele hospital funcionando como nós estamos mantendo hoje", relatou.

De acordo com Fernando Antônio de Carvalho, desde que entrou na diretoria, nenhum aumento foi recebido na contratualização dos governos estadual e municipal. "O hospital continua em dificuldade como sempre viveu. Nós estamos atravessando hoje uma situação bastante crítica em relação a parte financeira do hospital. Isso porque nós estamos no terceiro ano, vamos entrar para o quarto ano e nós não recebemos nenhum aumento na nossa contratualização", disse Fernando.

 


Relacionadas