quinta, 21 de janeiro de 2021

Cidades
Compartilhar:

Fundo do oceano na Paraíba é repleto de navios naufragados

Beto Pessoa e Katiana Ramos / 18 de dezembro de 2017
Foto: ASSUERO LIMA
Quem vê o azul do litoral paraibano nem imagina que, abaixo daquelas águas, além da rica fauna marinha, existem cemitérios de navios. Ao longo do litoral paraibano, embarcações seculares naufragadas habitam o fundo do oceano, navios que revelam rastros dos forasteiros que trafegavam séculos atrás nas águas tabajaras.

Abaixo do mar não faltam histórias, quem atesta é o engenheiro George Cunha, que há décadas mergulha na costa paraibana para conhecer de perto esses fragmentos de um passado distante, hoje habitado por corais e espécies marinhas. Vários objetos recuperados conta um pouco essa história, como louças, âncoras, garrafas.

“Nossa costa tem uma vida marinha interessantíssima. Um mergulho muito rico é o de ‘Queimado’, da embarcação Ship Eriê, em Tambaú. Era um navio carregado de café, que pegou fogo e afundou. Eu acredito que seja um dos mais interessantes, porque tem preservadas muitas características da embarcação”, explicou o engenheiro.

Há também histórias com ar de mistério, onde só foram encontrados pequenos fragmentos de um todo ainda a ser descoberto. “O naufrágio do Santa Rosa, por exemplo, mandava ouro do Brasil para Lisboa. Ele afundou com 7 toneladas de ouro, tesouro nunca descoberto. Hoje pesquisadores do mundo todo investigam sua localização, que muito provavelmente está pela região do Cabo Branco”, disse.

Diversas outras histórias descansam no fundo do mar paraibano, pedaços de um passado que no presente ainda despertam curiosidade e encanto para muitos mergulhadores.

Mergulhando nos destroços

Para visitar esses tesouros escondidos no mar da costa paraibana é preciso fazer um curso de mergulho. A preparação é oferecida por algumas empresas que organizam os passeios até os naufrágios mais visitados do litoral paraibano: Alice, Alvarenga e Queimado. Já para visitar os demais naufrágios existentes na Paraíba é preciso cursos de mergulho mais especializados, uma vez que a profundidade é maior. “Para visitar os três naufrágios que ficam em Tambaú é preciso ter o curso básico de mergulho, que leva em torno de seis meses. Esse curso é feito parte na piscina e parte no mar”, explicou o proprietário da Passeios Náuticos Paraíba, Lucas Lopes.

Ele alertou ainda que as pessoas só devem mergulhar acompanhados por um profissional especializado e é preciso que os interessados estejam em boas condições de saúde, havendo algumas restrições para quem tem claustrofobia, problemas respiratórios ou cardíacos. “Para quem tem o certificado de mergulho, mas não mergulha há mais de um ano é preciso fazer, um minicurso, no local mesmo do mergulho, que dura em torno de uma hora. Já quanto a idade é recomendado que a pessoa tenha no mínimo 18 anos”, acrescentou.

No caso da empresa operada por Lucas Lopes, o passeio pelos naufrágios Alice, Alvarenga e Queimados dura cerca de três horas e o valor cobrado é de R$ 380 por pessoa.




 

Relacionadas