domingo, 21 de julho de 2019
Cidades
Compartilhar:

Eixo Norte da Transposição deve ser concluído ainda neste semestre

Katiana Ramos com Agência Brasil / 17 de janeiro de 2019
Foto: Antônio Ronaldo
O Eixo Norte da Transposição do Rio São Francisco deve ser concluído ainda neste semestre e vai beneficiar diretamente a população dos municípios paraibanos de Monte Horebe, São José de Piranhas e Cajazeiras, no Sertão. De acordo com o Ministério da Integração Nacional, esse trecho da Transposição está quase totalmente concluído.

As cidades da Paraíba serão contempladas com a água que vai sair do reservatório Boi II, em Brejo Santo (CE), até o reservatório Engenheiro Ávidos, localizado em Cajazeiras. Esse trecho da obra integra a Meta 3N, que totaliza 81 quilômetros de transposição das águas do São Francisco. A obra do Eixo Norte a obra é parte dos investimentos de R$ 25 bilhões destinados a 114 obras hídricas do país, sendo 66 no Nordeste.

O Eixo Leste da Transposição foi entregue em março de 2017 e abastece cerca de 1 milhão de habitantes em 35 cidades, entre a Paraíba e Pernambuco. Durante uma reunião com o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, ontem em Brasília, o governador João Azevedo apresentou várias demandas da Paraíba na área de recursos hídricos e reforçou a importância da execução do Terceiro Eixo da Transposição do Rio São Francisco – conhecido como Ramal Piancó – que permitirá a distribuição da água do São Francisco a partir do município de Conceição, no Vale do Piancó, até o Rio Grande do Norte. “Essa é uma obra fundamental para garantirmos a segurança hídrica na Paraíba”, reforçou João Azevêdo.

Por sua vez, o ministro alegou que, ainda este ano, será elaborado o projeto executivo da obra para que o governo possa buscar recursos junto ao Orçamento Geral da União para abrir a licitação, e na sequência, contratar a empresa que irá executá-la. João Azevêdo também cobrou do Ministério do Desenvolvimento Regional a liberação de recursos para a conclusão do Canal Acauã-Araçagi, que possui 112 quilômetros de extensão e levará água a dezenas de municípios do Brejo paraibano. Outra cobrança foram pleitos relacionados à barragem de Retiro, ao Sistema Camalaú e à adutora de Boqueirão.

Plano Nacional. As iniciativas fazem parte do Plano Nacional de Segurança Hídrica, em elaboração pela Agência Nacional de Águas (ANA) e que deve ser lançado em abril deste ano. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, o plano vai priorizar intervenções estruturantes e estratégicas, contemplando obras dos Estados e da União. São mapeadas infraestruturas como barragens, sistemas adutores, canais e eixos de integração, consideradas necessárias à oferta de água para abastecimento humano e o uso em atividades produtivas. O governo vai priorizar a conclusão dos empreendimentos já em andamento.

Água marinha. O aproveitamento da água do mar como fonte hídrica, segundo a pasta, também é uma tecnologia em estudo. A proposta é que cidades litorâneas, muitas vezes dependentes de reservatórios de outras localidades dos estados, possam ser abastecidas com água marinha dessalinizada.

Dessa forma, mananciais do interior seriam preservados, permitindo maior capacidade de atendimento às demandas hídricas da população local. No momento, segundo a pasta, uma planta dessalinizadora na região metropolitana de Fortaleza está em processo de implementação.

Relacionadas