terça, 11 de maio de 2021

Educação
Compartilhar:

Professor Trindade dá mais uma aula do curso prático de português

João Trindade / 03 de fevereiro de 2019
Foto: Arquivo
Curso Prático de Português, em 22 lições

Lição nº 5: ESTUDO DAS ORAÇÕES (I) – As subordinadas

As orações se agrupam em período simples (apresenta uma só oração) e período composto (apresenta mais de uma oração). O período simples já foi estudado; estudaremos, a partir de agora, o período composto.

Conforme já aprendemos, o período pode ser composto por coordenação, ou por subordinação. No período composto por coordenação, as orações não exercem função sintática, umas em relação às outras; no período composto por subordinação, as orações exercem função sintática, umas em relação a outras; estas, chamadas principais. 

Exemplo de período composto por coordenação:

Iria ao cinema, mas não fui. (as orações não exercem qualquer função sintática).

Exemplo de período composto por subordinação:

Espero que voltes .

op           o. sub

A oração grifada exerce função sintática de objeto direto, em relação à primeira, chamada principal.

O período composto por subordinação se divide nos seguintes grupos de orações:

1.Orações subordinadas substantivas.

2.Orações subordinadas adjetivas.

3.Orações subordinadas adverbiais.

1.Orações subordinadas substantivas

a) Exercem funções próprias do substantivo.

b) Iniciam-se, muito geralmente, pelas conjunções integrantes* que e se.

*Conjunções integrantes são aquelas que não exercem qualquer função sintática, na oração.

c) Muito geralmente, equivalem a um “isto”.

As subordinadas substantivas exercem, em relação às principais, as funções de:

Objeto direto: Espero que tudo dê certo. (oração subordinada substantiva objetiva direta).

Objeto indireto: Necessito de que tudo dê certo. (oração subordinada substantiva objetiva indireta).

Complemento nominal: Tenho necessidade de que tudo dê certo. (oração subordinada substantiva completiva nominal). 

Sujeito (oração subordinada substantiva subjetiva). 

“Fórmulas” das orações subordinadas substantivas:

1ª fórmula: Verbo transitivo direto (3ª do sing.) + SE + oração (= isto):

Soube-se que tudo daria certo.

vtd              o.s.s.subj.

2ª fórmula: Verbo de ligação (3ª do singular) + predicativo + oração (= isto):

Era sabido que tudo daria certo.

vl     p          o.s.s.subj.

3ª fórmula: Verbos unipessoais (só se conjugam na terceira pessoa), na 3ª do singular + oração (= isto):

Parece que tudo dará certo.

Consta que tudo dará certo.

Urge que tudo dê certo.

Tais orações costumam ser confundidas com as objetivas diretas. Para que isso não aconteça, use o seguinte artifício: Quando o verbo da oração principal estiver na 3ª pessoa do singular, coloque o pronome ele, antes do verbo da oração principal; se a frase não tiver sentido, a subordinada é subjetiva; caso tenha sentido, a subordinada é objetiva direta.

Exemplificando:

(Ele) Consta que tudo dará certo. (tem sentido? Não. A subordinada é subjetiva).

(Ele) Soube que tudo dará certo. (tem sentido? Tem. A subordinada é objetiva direta).

Predicativo: O importante é que tudo dê certo. (oração subordinada substantiva predicativa).

Observe o seguinte, querido leitor:

Na construção: “O importante é que tudo dê certo”, temos uma subordinada predicativa, porque a oração subordinada (= isto) vem logo após o predicativo. Já na construção: “É importante que tudo dê certo”, a subordinada é subjetiva, porque temos a fórmula: verbo de ligação: É + predicativo (importante) + oração que equivale a isto (que ela volte).

Aposto resumitivo: O importante era isto: que tudo desse certo (= Oração subordinada substantivo apositiva).

2.ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS

a) Exercem funções próprias do adjetivo.

b) São introduzidas por pronomes relativos.*

Pronomes relativos: que (= o qual); o qual (e flexões); cujo (e flexões); onde; quem; quanto (e flexões); como.

São classificadas como explicativas (função de aposto explicativo) e restritivas (função de adjunto adnominal).

2.1. Explicativas (explicam algo sobre o termo anterior): Deus, que é justo, não nos abandonará.

2.2. Restritivas (restringem o sentido do termo anterior): O homem que ama sofre.

3.ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

As orações subordinadas adverbiais funcionam como adjuntos adverbiais da oração principal. Classificam-se em:

3.1. Causais (= ideia de causa): Não fui à festa, porque estava chovendo.

3.2. Consecutivas (= ideia de consequência): Estudou tão pouco que não poderia passar.

3.3) Comparativas (= ideia de comparação): Ela era frágil como um passarinho.*

* É preciso ter cuidado, porque geralmente o verbo da oração subordinada comparativa vem em elipse (escondido); isso pode trazer problema para o candidato, nas questões em que se pede o número de orações de determinado período. Note que “Ela era frágil como um passarinho” equivale a Ela era frágil como um passarinho (é).

3.4. Condicionais (= ideia de condição): Só vou à festa se ela for.

3.5. Concessivas (= ideia de concessão): Mesmo que chova, irei à festa.

3.6. Conformativas (=ideia de conformidade): Ele fez tudo conforme combinamos.

3.7. Temporais (= ideia de tempo): “Quando o inverno chegar, eu quero estar junto a ti.”

3.8. Proporcionais (= ideia de proporção): Quanto mais ele falava, mais dizia bobagem.

3.9. Finais (= ideia de finalidade): Esteve aqui, a fim de falar com você.

 

 

Relacionadas