quarta, 17 de julho de 2019
Educação
Compartilhar:

Curso prático de português do professor Trindade ensina fonologia

João Trindade / 16 de junho de 2019
Curso Prático de Português, em 22 lições

Lição nº 22 (última)

Com esta lição, terminamos nosso curso. Como o nome já diz, foi um curso prático; evidentemente, não completo; ideal, no entanto, para a preparação de candidatos a concurso e para avida prática. Semana que vem, retomamos a coluna tradicional.

FONOLOGIA

Observe este poema:

“Se o feijão falta.

A mesma é farta

De preocupação.

Se o feijão some

O homem se consome

Em eterna aflição.

E fica sem planos,

Perdido no Plano

Das contradições.

Debulhe-se o feijão,

Poupança infinita,

E não falte o pão,

Que a sociedade grita”.

(TRINDADE, João. In “Algoz de Mim” – inédito)

Observe que no poema se exploram bastante os aspectos sonoros. Não só a rima, como também os trocadilhos e os fonemas. Os recursos fonéticos mostram-nos a importância da fonologia, sobretudo estilisticamente. Note como a troca da letra l falta (1º verso) por r farta (2º) verso provocou um expressivo recurso poético.

1. A fonologia estuda as palavras, sob o aspecto sonoro; estuda os fonemas. Fonema é a unidade sonora que entra na constituição de uma palavra. Fonema é som. Na escrita, é representado pela letra.

Fonema = som.

Letra = símbolo gráfico do fonema.

Exemplo: Farta = 5 letras.

f/a/r/t/a = 5 fonemas.

hoje = 4 letras.

o/j/e/ =3 fonemas.

Note que nem sempre o número de letras coincide com o de fonemas.

DÍGRAFO é todo conjunto de letras que representa um fonema.

São dígrafos:

SS (passo)

RR (carro)

NH (caminho)

LH (velho)

CH (chute)

QU (quando seguido de e ou i) – quero

GU (guerra)

SC (nascer)

SÇ (desça)

XC (exceto)

ATENÇÃO:

Em palavras em que a letra dos grupos GU, QU SC e XC forem pronunciadas, tais letras não formam dígrafo, como, por exemplo, em água, escrita, exclamar, etc.

Entre os dígrafos incluem-se os grupos AM,AN,AM,EM,EN, em palavras como tampa (tãpa), tinta (t~ita), armazém (armaz~ei – pronuncia-se substituindo o N e o M por um i e um e com til, respectivamente.

2. Classificação dos fonemas

Todas as palavras são constituídas de, no máximo, três tipos de fonemas: vogais, semivogais e consoantes. A vogal é a base da sílaba; NÃO EXISTE SÍLABA SEM VOGAL e NÃO EXISTE MAIS DE UMA VOGAL EM CADA SÍLABA.

As vogais são A, E, I,O,U.

As semivogais são I e U quando ligadas a uma vogal. Incluem-se nas semivogais O com som de U e E com som de I.

Consoantes são fonemas que não podem ser pronunciados sozinhos; apoiam-se numa vogal, para a emissão do som.

x Ex.: B, C, D, E, etc.

ATENÇÃO

O número de sílabas de uma palavra é igual ao número de VOGAIS que ela apresenta; é obrigatório haver vogal na sílaba.

3. Encontros vocálicos

Quando os sons vocálicos (vogal e semivogal) se juntam numa sílaba, ou aparecem, um após o outro, em sílabas separadas, teremos encontro vocálico. Os encontros vocálicos se dividem em ditongo, tritongo e hiato.

Ditongo: encontro de vogal + semivogal, ou vice-versa, na mesma sílaba. Podem ser:

Orais (pronunciados totalmente pela boca): pEIxe.

Nasais (pronunciados, parcialmente, pelo nariz): muito (m~uito).

Crescente (semivogal + vogal): quatro.

Decrescente (vogal+ semivogal): ameixa.

Conclui-se que para classificar o ditongo usaremos dois critérios: se ele é oral, ou nasal; crescente, ou decrescente.

ATENÇÃO:

Não aparece na escrita, mas somente na pronúncia, a semivogal dos ditongos nasais EM (armazém =armaz~ei) e AM (vejam=vejãu)

Tritongo

É o conjunto formado por semivogal + vogal + semivogal, pronunciado na mesma sílaba. O tritongo pode ser oral ou nasal.

Ex.: iguais.

Saguão.

Hiato

É formado por sons vocálicos JUNTOS; porém, em sílabas DIFERENTES.

Ex.: SAÚDE (sa-ú-de)

Encontros consonantais

Encontro de duas consoantes numa palavra.

Ex.: Brasil

DIVISÃO SILÁBICA

1. Divide-se, no interior do vocábulo, a consoante não seguida de vogal: ab-di-car; bet-sa-mi-ta; ét-ni-co; téc-ni-co; nup-ci-al; sub-jul-gar; op-ção.

2. Os grupos consonantais não se separam: dra-ma; fra-se; cla-ro.

ATENÇÃO: em alguns casos, em BL e BR o L e o R são pronunciados separadamente.

Ex.: sub-lin-gual

sub-ro-gar.

3. Não se separam os dígrafos LH, NH, CH, GU e QU.

Ex.: fi-lha; fa-lha; chi-ta; ni-nho; gui-a; qui-e-to.

4. As consoantes dobradas CC; CÇ; SS e RR separam-se: sec-ção; car-ro; pro-ces-so; oc-ci-pi-tal.

5. As consoantes SC separam-se: des-cer; nas-cer; cres-cen-te.

6. O S seguido de consoante forma sílaba com o prefixo precedente: abs-tra-to; ins-pe-tor; ins-cri-ção.

7. Não se separa o S dos prefixos BIS, CIS, DES e TRANS, quando seguidos de consoante; porém, seguidos de VOGAL separam-se.

Ex.: Bis-ne-to; des-li-gar; ex-por; des-men-tir; des-lei-xo; des-men-tir; cis-ma; ex-tra-or-di-ná-rio; trans-por-tar; ex-tra-vi-ar; trans-gre-dir.

SEGUIDOS DE VOGAL: e-xér-ci-to; bi-sa-vô; e-xa-me; e-xa-to; ci-so; de-sem-pe-nhar; di-sen-té-ri-co; de-sem-bar-car.

8. Separam-se os hiatos: ca-a-tin-ga; co-or-de-nar; a-ta-ú-de; sa-ú-de.

9. Não se separam as vogais dos ditongos, nem dos tritongos.

Ex.: au-ro-ra; gló-ria; i-guais; quais; quais-quer; U-ru-guai.

Relacionadas