segunda, 21 de setembro de 2020

Educação
Compartilhar:

Começa Fórum de Arquitetura da América Latina; curso é oferecido pela internet

Aline Martins / 09 de setembro de 2015
Foto: Arquivo
Iniciou ontem e prossegue  até o dia 15 deste mês, o Fórum Online de Arquitetura da América Latina (Foaal). O curso, oferecido pela internet, conta com palestras e debates ao vivo em cinco horários: 9h, 11h, 15h, 17h e 20h. Hoje, arquitetos do Brasil e do Paraguai vão debater temas como centralidade e urbanidades, arquitetura e identidade, interiores e humanização. Este último tema será tratado às 15h, pela paraibana Sandra Moura.

A arquiteta mostrará a importância da humanização de espaços para a preservação de uma cultura, através do trabalho ‘Resgate da cultura nordestina na capital federal’. Ela disse que apresentará dois trabalhados realizados entre 2009 e 2013, que foram a implantação de dois restaurantes do Grupo Mangai em Brasília-DF: o Mangai (terceira sede) e, após dois anos, no mesmo complexo, afastado apenas dez metros, o Nau de Brasília.

A arquiteta explicou que no Mangai utilizou elementos de referência da arquitetura portuguesa – característica presente no ambiente nordestino – e também da cultura dos árabes – que dominou a Península Ibérica – também para compor o cenário do local. Ela contou ainda que levou chaminés de tijolos para o interior do restaurante que é um objeto característico da cultura local.

Já no Nau, Sandra Moura fez referência à arquitetura contemporânea, mas sem esquecer dos elementos culturais. Nas duas edificações, a arquiteta usou uma estrutura em aço corten, com o desenho em forma de palma - vegetação típica do Nordeste brasileiro.

“É uma forma de resgate local, mostrando a expressão estética e artística das nossas raízes. As edificações foram humanizadas com a identidade paraibana, firmando e cultivando as crenças, convicções e fortalecendo as próprias referências culturais.Resgatar a nossa cultura e inserir nestes trabalhos, promove a autoestima e, ao mesmo tempo, fortalece em mim a própria identidade de paraibana orgulhosa do que temos e somos: tradição, história, arte, cultura, criatividade e coragem”, contou.

Leia mais no Jornal Correio da Paraíba.

Relacionadas