quinta, 21 de janeiro de 2021

Cidades
Compartilhar:

Da vergonha à oportunidade: empresária abre espaço de bronzeamento natural em JP

Rammom Monte / 30 de maio de 2016
Foto: Rammom Monte
Da vergonha à oportunidade de abrir seu próprio negócio. Foi esse o trajeto percorrido pela empresária Anny Fernandes, de 31 anos. Mãe de quatro filhas, Anny tinha vergonha de pôr um biquíni pequeno para ir à praia se bronzear. Foi aí que surgiu a ideia: por que não ter um espaço em que ela poderia se expor à vontade sem se preocupar com os olhares de outros? Foi assim que ela abriu sua empresa, um espaço de beleza para as mulheres com foco principal no bronzeamento natural.

“Eu tive a ideia a partir de um bronze que eu fiz. Eu tenho já quatro filhas. Eu sou mãe, dona de casa, e você sabe que depois que a pessoa tem filho o corpo não é mais a mesma coisa. Então eu tinha vergonha de ir na praia, não me sentia bem colocando um biquíni pequeno, mas eu sentia falta dessa marquinha, que a gente fica quando usa o biquíni. Eu conheci o bronzeamento natural a partir de um espaço que eu fui, fiz o bronze e gostei demais e a intenção é justamente essa, para mulheres que não tem disponibilidade ou que sentem vergonha, ou que já não estão mais com o corpo em dia, por inúmeros outro motivos”, explicou.

De acordo com Anny, o Ateliê do Sol (nome da empresa) é um espaço voltado exclusivamente para mulheres, onde elas possam se sentir à vontade.

“Esse espaço foi criado justamente para atender essa necessidade. Aqui é praticamente um clube da Luluzinha. Só vem mulher para cá. Homem não entra. Eu costumo dizer que o Papa só poderia entrar aqui quando minhas mulheres fossem embora. O espaço foi pensado a partir disto aí, da minha necessidade, como eu, tem inúmeras outras. Em João Pessoa até então não tinha o espaço dessa forma, com esta estrutura. Há posições que ficamos aqui, que não poderíamos ficar na praia. Por exemplo, ter que ficar totalmente aberta para poder bronzear a parte interna das coxas. Aqui elas podem ficar bem à vontade, por isso que não entram homens”, disse.

Porém, as mulheres não podem simplesmente chegar e se bronzear. Anny defende que há uma série de cuidados com a pele. Ela explica que os atendimentos são agendados e que as clientes só ficam expostas ao sol até no máximo às 10h.

“Eu trabalho com agendamento. Antes da cliente vir, eu converso com ela e falo todo o procedimento, como é feito, mando para elas falando um pouco sobre o bronzeamento natural, mando a tabelinha de preço, tudo bem organizado. Quando ela agenda a sessão, eu envio dois informativos para a cliente, um informando sobre a questão de se alimentar bem e outro falando da questão do horário. O bronzeamento em si é só até às 10h. Este sol é tomado no horário permitido, no horário que faz bem”.

Especial Sol- Rammom Monte (18)

Mudança na carreira

A empresa de Anny ainda não completou dois meses. Há pouco tempo, o ramo dela era completamente diferente: ela trabalhava com vendas. Porém, juntando a vontade própria a uma oportunidade de negócio, a empresária decidiu abrir o empreendimento.

“Eu era consultora de vendas em uma multinacional de câmera. No início do ano tive a ideia de abrir o negócio. Foi na época do Fest Verão. Eu queria está bem bronzeada e não tinha como e eu acabei conhecendo o bronzeamento natural, fiz e gostei demais. A ideia surgiu da minha necessidade, como eu tem outras mulheres. Não só mulheres que têm filhos, mas muitas que malham. Eu tenho cliente fisiculturista que precisa do bronze para a competição, tenho cliente que vai tomar sol por conta da vitamina D.”

Porém, por mais que seja organizada, o empreendimento depende diretamente da natureza. O espaço funciona todos os dias, exceto quando chove. Porém, Anny garante que isto não o torna um negócio de risco.

“Eu até agora não tive tanto problema. Teve uma semana que choveu três dias, mas depois lotou. Estou super satisfeita com o que estou fazendo, trabalho super gratificante, eu não vejo como um risco. O espaço agora eu estou focando no bronzeamento, porque é a menina dos meus olhos, eu me apaixonei por isto. Um espaço de beleza, ele tem que ter vários serviços para oferecer para as clientes. Eu comecei com o bronzeamento, estou cuidando das minhas clientes, fazendo o espaço para poder oferecer novas coisas. A partir do mês de junho nós teremos novidades. Outras coisas. É um SPA urbano. Eu não ofereço só o bronzeamento natural. Pela manhã eu ofereço só o bronze, mas a tarde eu ofereço outros serviços. São cuidados. É um espaço para cuidar da sua pele”, afirmou.

O procedimento

Ao todo, o espaço conta atualmente com seis macas. Cinco ficam expostas ao sol, enquanto fica na sombra, para o procedimento de banho de lua. Anny explica que o tempo de exposição de cada cliente vai depender do tom de pele. Para poder abrir o local, a empresária afirma que precisou fazer alguns cursos, para poder se capacitar.

“Eu fiz dois cursos para poder abrir este espaço.Eu considero que há 3 bons cursos no Brasil na área. Destes três eu já fiz dois. Viajei para fazer os cursos, me capacitei. Nestes cursos, nós temos toda a orientação sobre o tipo de pele, proteção ao rosto, que não é para bronzear, a gente passa protetor solar no rosto e protege com uma toalha. A questão da posição das macas e do sol, questão do tempo de cada pele, da proteção do corpo, os produtos que nós usamos são produtos profissionais, vendidos para profissionais da área, liberados todos pela Anvisa. Tem todo um cuidado com as clientes. Não é só chegar, comprar o produto e bronzear. Não pode”, afirmou.

Especial Sol- Rammom Monte (4)

“Converso com as clientes, faço a ficha delas. Se ela tem algum problema, se fica vermelha ou não. Tudo isto vai determinar o tempo que a cliente deve ficar ao sol. Eu tenho cliente que só pode ficar meia hora. Em contrapartida, há clientes que podem passar uma hora e meia. Depende do tom de pele. Se eu coloco uma branquinha no mesmo tempo de uma morena, ela vai sair daqui direto para o hospital. O tempo de manutenção varia de acordo com o tom de pele da cliente. Depois do bronze, tem a parte da hidratação da pele e eu ainda faço perguntas depois para a cliente como ficou a pele e tal, pegando um feedback”, explicou.

De acordo com Anny, três sessões, em média, são suficientes para a cliente sair com a marquinha perfeita. Porém, ela ressalva que há uma manutenção a fazer e que cada pele vai reagir de uma maneira.

“São seis tipos de pele, cada tipo é um período diferente. Para quem tem pele morena, entre as três primeiras sessões, que já é suficiente para deixar uma marquinha perfeita, um intervalo de três a sete dias, entre as sessões é suficiente. Vai ficar com uma cor uniforme e vai fazer a manutenção a cada 20, 30 dias, depende da cor que você queira. Para quem tem pele mais branquinha, é diferente. O intervalo passa a ser de cinco a sete dias. Dentro de 3 semanas, a cliente já vai ter uma corzinha legal, mas quem tem a pele branquinha, não vai ficar com a mesma cor em três sessões de quem tem a pele morena. Então a gente toma esse cuidado de fazer um bronze gradativo, que vai durar mais na pele da cliente. Não adianta deixar queimando, ficar toda vermelha. Porque quando passar a vermelhidão, pode até ficar um bronze lindo, mas vai despelar. Porque não foi feito da forma correta”, disse.

Mimos para as clientes

Além do serviço de bronzeamento, Anny diz que quer focar na questão do atendimento. Para isto, o local oferece uma série de mimos para as clientes, como café da manhã, sandálias, entre outros.

“A gente oferece um café da manhã, para que a cliente fique bem alimentada e bem hidratada durante a sessão. Tem suco rico em betacaroteno, que é muito bom para a questão do bronze. Café, água para chá, achocolatado, iogurte, biscoito, bolo, para que a cliente fique bem alimentada durante a sessão. A gente também serve água de coco, água mineral, frutas...”, relatou.

Outra coisa feita no local é o biquíni moldado no corpo da cliente. Com uma fita vinil, Anny faz o biquíni diretamente no corpo da cliente. Segundo ela, isso ajuda no processo de bronzeamento.

“É moldado ao corpo. É feito com fitas. As fitas são cortadas de acordo com as larguras que usamos para montar os biquínis. São fitas de vinil. A cliente escolhe a largura. Sempre uso as fitas de vinil da cor branca. Para montar o biquíni, a gente protege a parte íntima da cliente com uma gaze, esparadrapo. Uso jaleco, luvas, os biquínis são descartáveis. Tem um modelo. Fica grudado no corpo. Isso é uma das coisas que vai garantir a marca perfeita.”

Uma das clientes do local é a funcionária pública Moema Arnaud. Ela explica que conheceu o local através das redes sociais e que o fato de ter um bronze contínuo a fez escolher ir para lá.

“O meu desejo é um corpo bronzeado, e mais que isso, ainda manter a cor. A pressa é inimiga para bronzear, em um dia apenas de exposição ao sol não se alcança a cor perfeita. O meu foco é na cor uniforme, com beleza. Pelo modo tradicional – ficar exposto ao sol por muitas horas, é difícil arranjar tempo livre, a não ser nas férias”, disse.

Preços

Toda essa mordomia e privacidade tem um preço. Uma sessão custa 85 reais. Além disto, há pacote com três sessões que custa 220 reais e pacote com cinco sessões, que custa 425 reais. Neste último, a cliente ganha a sexta sessão de graça. Para mais informações: 98267-9487.

Relacionadas