terça, 26 de janeiro de 2021

Cidades
Compartilhar:

Cinco mil mulheres terão ‘Ronda Maria da Penha’

Bárbara Wanderley / 23 de dezembro de 2017
Cinco mil mulheres estão sob medida protetiva em João Pessoa e poderão ser beneficiadas pela Ronda Maria da Penha, lançada no último dia 11 pela Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas para Mulheres (SEPPM) em parceria com a Guarda Municipal. A novidade promete trazer mais segurança e tranquilidade para as mulheres vítimas de violência doméstica que já tiveram a coragem de denunciar o agressor, conforme explicou a secretária da SEPPM, Lídia Moura.

“Há homens que se afastam após a medida protetiva, mas há outros que voltam ainda mais violentos, ameaçando as mulheres. Havia um gargalo entre a medida e a proteção”.

As mulheres sob medidas protetivas não cumpridas podem contar com a ronda. A secretária explicou que será feita uma pequena entrevista com a mulher que autorizar a ronda, para descobrir a identificação do agressor e os lugares onde ele costuma aparecer. Dessa forma, uma equipe da guarda fará rondas periódicas nesses locais, geralmente perto da casa da vítima, do local de trabalho e da escola das crianças.

Além disso, a mulher receberá um número de telefone e WhatsApp para o qual pode ligar se sentir que está em perigo. “Temos um convênio com a Polícia Militar, então se a guarda flagra um homem desobedecendo à medida ou recebe um pedido de ajuda pelo telefone, a polícia é acionada imediatamente e enviada ao local”, explicou a secretária.

Lídia Moura afirmou ainda, que as 5 mil medidas serão filtradas pela equipe da Secretaria para focar nas mulheres que realmente precisam do serviço. “Aquelas que não estão mais sendo importunadas também podem ter acesso aos serviços da Secretaria, mas não precisam da ronda”, comentou. Mesmo as que precisarem, têm que autorizar o serviço.

Se alguma mulher quiser se antecipar e solicitar desde já a ronda, deve ligar para o 0800-283-3883 ou comparecer a sede da SEPPM, no primeiro andar do Paço Municipal, no Centro, das 8h às 14h, com a medida protetiva em mãos.

Para auxiliar mulheres vítimas de violência, a SEPPM conta com diversos profissionais e está ligada a serviços especializados como advogados, psicólogos e assistentes sociais. Essas mulheres também têm acesso a cursos profissionalizantes e prioridade nos programas de assistência social da prefeitura, para os quais são encaminhadas de acordo com a necessidade.

Relacionadas