sexta, 19 de abril de 2019
Cidades
Compartilhar:

Chuva faz açudes sangrarem no Sertão da PB

Wênia Bandeira / 09 de abril de 2019
Foto: Cícero Lima
O mês de abril, considerado o de maior aporte de água para o Sertão paraibano, continua rendendo alegrias aos sertanejos, agora com seis reservatórios sangrando. O último a transbordar foi a Barragem da Farinha, um dos mananciais que abastece a cidade de Patos.

De acordo com o gerente regional Espinharas da Cagepa, Alan Oliveira, a cidade vive um cronograma de distribuição de água. Apesar de deixar as residências sem abastecimento, este trabalho não é racionamento. “São três dias com água e um dia sem água, mas isso se trata de um serviço para disciplinar o consumo, para evitar que lavem calçadas, por exemplo. Racionamento é quando não tem água no reservatório, o que não é o caso”, explicou.

Os patoenses já estão há seis anos convivendo com esta realidade.

Patos retira água para consumo de Capoeira, em Santa Terezinha, Açude da Farinha e Jatobá, ambos em Patos, e Açude de Coremas, em Coremas.

Alan Oliveira informou que, após o período chuvoso, será realizado um estudo para saber a situação real dos mananciais.

“É quando saberemos a respeito da possibilidade de encerrar do cronograma de distribuição. A seca nessa região é brutal, por isso, apesar do aporte de água, precisamos ter muita cautela”, explicou o gerente da Cagepa.

A Barragem da Farinha sangrou no último sábado. Sua capacidade é de 102.92 milhões. Além da Farinha, os açudes de Cafundó (101,35%), Emas (106,09%), Olho D’Água (100%), Pimenta (103,82%) e São Salvador (104,61%) estão sangrando.

E a boa notícia deve continuar, segundo o presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), Porfírio Loureiro. “Araçagi é a melhor de todos, já está com 90,67% e deve encher nos próximos dias. Tem também aqueles que estão longe de sangrar, mas que tiveram um imenso aporte, como Coremas (16,16%), que no fim de semana ganhou mais oito milhões de metros cúbicos, este é um manancial que abastece quase 500 mil pessoas no sertão”, contou Porfírio Loureiro.

Toda esta chuva, de acordo com o presidente da AESA, é normal para o período. Ele falou que abril é, historicamente, o mês de maior aporte de água por chuva na região e que deve continuar assim até o fim do mês.

Em boqueirão. Mas a precipitação não está dando ganhos de recursos hídricos apenas para os sertanejos. O açude Epitácio Pessoa, em Boqueirão, acumulou mais dois milhões metros cúbicos de domingo para ontem, chegando a 104.322 milhões de metros cúbicos, o que representa 25,34% de sua capacidade.

“A transposição para Boqueirão continua parada, deixamos de receber de São Francisco, mas não fomos abandonados por São Pedro”, disse Porfírio.

Cautela



A expectativa é que as chuvas no Sertão paraibano prossigam nos próximos dias. Contudo, a Aesa, devido a estiagem prolongada, é cautelosa com relação à normalização do abastecimento de água em cidades como Patos.

Relacionadas