sábado, 16 de novembro de 2019
Cidades
Compartilhar:

Carros bloqueiam calçadas e põem em risco a vida de pedestres em João Pessoa

Beto Pessoa / 09 de novembro de 2017
Foto: Nalva Figueiredo
Considerada infração grave, estacionar o veículo em local de passeio segue como uma das irregularidades mais comuns no trânsito de João Pessoa. Até outubro deste ano já foram 13.103 autuações deste tipo registradas pela Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana (Semob), volume 39% maior que as ocorrências de todo ano passado.

O problema fica ainda mais acentuado em regiões onde há pouco espaço para tráfego de pedestres, obrigando as pessoas a saírem das calçadas e disputar as ruas com os carros em movimento. Um desses locais é a Avenida Antônio Silva Melo, no bairro de Jaguaribe, uma das mais movimentadas daquela região. O local tem apenas uma faixa de pedestre e as estreitas calçadas estão, de um lado, cobertas por mata e entulho, e do outro, carros estacionados impedem o passeio do pedestre.

O cenário tem gerado acidentes naquela via, explica o ciclista Severino Mendes, que todos os dias trafega por aquela região. “A gente anda com medo. Já vi gente sendo atropelada, porque não consegue andar na calçada e precisa andar na pista, entre os carros”. A dona de casa Andrea dos Santos, de 26 anos, tem a mesma queixa. Apreensiva, todos os dias ela anda de uma esquina a outra para deixar o filho na escola, concorrendo o espaço tanto com os veículos estacionados na calçada quanto aqueles em movimento na avenida. “A gente que tem criança fica com mais medo, né? Os motoristas não respeitam a gente, nem os que param o carro na calçada nem os que dirigem na pista”, disse. Na avaliação do superintendente da Semob-JP, Carlos Batinga, o problema dos carros estacionados no passeio é sobretudo cultural. “Estacionar carro em cima de calçada é enquadrada como infração. O pedestre que encontrar essa situação pode fazer a denúncia e a Semob vai registrar a ocorrência. Esse tipo de infração está ligada a cultura da máquina sobressaindo o humano, contrariando a ideia de cidade sustentável”.

Na Lei

O Art. 193 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estipula uma punição para este tipo de infração, considerada gravíssima: 7 pontos na Carteira de Habilitação e multa de R$ 574,62.

Relacionadas