terça, 24 de novembro de 2020

Campina Grande
Compartilhar:

Taxa de mortalidade infantil em Campina Grande cai 38,28%

Assessoria / 12 de agosto de 2016
Foto: Divulgação
Nos últimos dez anos, o município de Campina Grande conseguiu reduzir em 38,28% a taxa de mortalidade infantil. De acordo com o Sistema de Informação sobre Mortalidade Infantil, do Ministério da Saúde, em 2006, a taxa de mortalidade de crianças menores de 1 ano de idade era de 19,85 óbitos por mil nascidos vivos. No ano passado, o índice local ficou em 12,25, abaixo da média nacional de 13,82 (IBGE) e da meta de 15 estabelecida pela ONU para o Brasil.

A secretária municipal de saúde, Luzia Pinto, destacou que a Prefeitura vem investindo em obras e ações para melhorar ainda mais os indicadores de mortalidade infantil na cidade. Segundo a secretária, nos últimos três anos, foram feitas melhorias significativas tanto na Atenção Básica, onde o pré-natal é iniciado, quanto na rede hospitalar.

“Conseguimos ampliar a cobertura de Equipes de Saúde da Família, reformamos e ampliamos cerca de 60 unidades básicas, dando as condições necessárias para promoção de ações de saúde com as gestantes, como rodas de conversa sobre amamentação e alimentação saudável, prática de atividades físicas e até mesmo os cuidados com a saúde bucal dos bebês”, informou.

Luzia Pinto afirmou ainda que, a partir de 2014, o município assegurou o direito da gestante de visitar e conhecer a maternidade que ela vai dar à luz meses antes do parto. “A visita prévia é uma das estratégias da Rede Cegonha em Campina Grande para humanização e assistência ao parto. A Secretaria de Saúde garante ainda o transporte para que as gestantes façam a visita à maternidade de referência”, explicou.

Assistência ao parto - Além do Instituto de Saúde Elpídio de Almeida - Isea, que é referência em gestação de alto risco para mais de 170 municípios paraibanos, em Campina Grande os partos pelo SUS também são realizados no Hospital da FAP e na Clipsi. Para garantir a assistência humanizada ao parto, o Isea possui ampla estrutura de serviços, que vão desde a oferta de exames e consultas especializados no pré-natal de alto risco, até o acompanhamento integral dos bebês nos primeiros dias de vida.

No Isea, 71% dos partos são de pacientes de outros municípios. Para atender a demanda crescente de atendimentos, desde 2013 a maternidade vem passando por obras de reforma e ampliação. A unidade ganhou um Centro de Parto Normal, UTI Materna e a Casa da Gestante. Além disso, a recepção foi totalmente reformada, dentro dos padrões de ambiência do Ministério da Saúde, e agora conta com enfermaria de observação e novos consultórios. Ainda este ano, o Isea também vai contar com uma nova UTI Neonatal.

Relacionadas