sábado, 28 de novembro de 2020

Campina Grande
Compartilhar:

Campina Grande é 1ª cidade paraibana a ter plano de mobilidade urbana

Bruna Vieira / 11 de fevereiro de 2016
Foto: Arquivo
O primeiro município paraibano a construir o plano de mobilidade foi Campina Grande. “O foco são o transporte não motorizado e o coletivo. A parte mais frágil do trânsito é o pedestre e o ciclista, se melhorar as faixas de pedestre e ciclofaixas, resguardamos o mais frágil e podemos trafegar com segurança. Quando tiver um trânsito de qualidade e interligação de ciclovias, diminui o congestionamento”, disse Valéria Barros, engenheira civil da Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos em Campina Grande.

“O plano é pensado para 10 anos. A vantagem é que tudo que for feito, seguirá o plano. Já mudou o sistema de ônibus, alterações nas linhas para otimizar o sistema de transporte e dar velocidade operacional”, explicou Valéria.

Para este ano, a Prefeitura de Campina Grande pretende fazer o fechamento do terminal das Malvinas e investir em ciclovias. “Ele precisa ser fechado para integrar, colocar grade, porque nem todas as linhas que param lá tem a integração temporal. Só tem uma ciclovia no canal de Bodocongó, precisando de manutenção, a sinalização está apagada, precisa de placas e desobstruir pontos de obstáculos”, concluiu a engenheira.

Só em 2017. O superintendente de mobilidade de João Pessoa, Carlos Batinga, informou que o plano do município começará a ser elaborado este ano e levará pelo menos um ano e meio para ficar pronto.

“O foco é no pedestre e transporte coletivo. Vamos fazer campanhas que levem o motorista a obedecer as faixas de pedestre e de ônibus, as calçadas, as vagas de deficiente e idoso e a velocidade”, afirmou.

Em cinco anos, a Semob pretende concluir o plano de mobilidade, implantar o BRT, a requalificação viária e algumas ligações norte e sul. “O plano já era para ter sido feito. A PMJP conseguiu aprovar financiamento no BID e ainda este ano quer soltar o edital para elaboração. Ele terá horizonte de 10 anos. Também serão lançados editais dos corredores estruturantes de transporte para BRT, na Integração e terminal central da Ribeira”, disse o superintendente.

“O problema de todas as grandes e médias cidades brasileiras é a política equivocada do governo federal nos últimos 25 anos, que incentivou o transporte individual em detrimento do coletivo. O sistema viário não comporta”, concluiu Batinga.

Guarabira

Segundo o secretário de trânsito e transportes públicos, Gilberto Machado, o principal problema de mobilidade na cidade é estacionamento. Quanto ao plano de mobilidade, Gilberto afirmou que uma equipe de engenheiros de João Pessoa está elaborando. “O plano foi apresentado ao prefeito e será após o carnaval”, disse.

Patos

A secretária de Infraestrutura de Patos, Assunção Trindade, afirmou que o plano de mobilidade da cidade tem previsão para estar pronto até outubro. “O plano vai discutir várias questões, como a elaboração de critérios para construções comerciais, o trânsito de veículos, a acessibilidade de pedestres e pavimentação de ruas”, declarou.

Em conjunto

O superintendente do Departamento de Estradas e Rodagens, Carlos Pereira, informou que as perspectivas do órgão para este ano é continuar algumas obras para melhorar a mobilidade. “As principais são o acesso a Coqueirinho, que tivemos que fazer nova licitação, a Perimetral de Valentina e a duplicação da Avenida Cruz das Armas”, disse.

O que será feito

Faixa exclusiva da Floriano Peixoto (corredores, área central e bairros)

Melhoria do terminal de bairro das Malvinas/Chico Mendes.

Binário Alto Branco/Catolé e Pedro Otávio/Aprígio Nepomuceno

Ciclofaixa no Almeida Barreto

 

Relacionadas