sábado, 16 de janeiro de 2021

Campina Grande
Compartilhar:

Biliu de Campina lança música para incentivar exame de próstata

André Luiz Maia / 02 de junho de 2016
Foto: Divulgação
A abertura do Maior São João do Mundo, amanhã, traz entre suas atrações um ferrenho defensor das tradições do forró. Biliu de Campina faz sua performance no palco principal, às 20h, prometendo duas horas ininterruptas de alegria e música.

Depois de ter declarado no ano passado que sua agenda de shows não estava exatamente a mais farta, agora em 2016, apesar da alarmada crise econômica, a situação foi revertida. “Este ano, incrivelmente, o São João está bem melhor para mim do que no ano passado. Para santo não tem essa história de crise (risos), o São João continua firme e forte, apesar do Governo do Estado continuar a não apoiar festas do tipo”, aproveita para alfinetar.

Este ano, Biliu, com 67 anos recém-completados, decidiu declinar de alguns convites para tocar fora do estado. “Muito distantes, a violência está grande, preciso me preservar um pouco. Não estou com preconceito com nenhuma cidade, é uma questão de praticidade”, justifica o cantor e compositor.

Com língua afiada e sem medo de botar o dedo nas feridas, como é habitual de sua personalidade, ele critica algumas festas promovidas pelo interior. “Inventam uns tais de balaios culturais, em que eu não me misturo”, completa.

No repertório, o músico traz, além de baião, xaxado, xote e outros estilos mais conhecidos, a mistura do frevo e do arrasta-pé, o samba de latada, ou de terreiro, e um coco, intitulado “Se toque... no forró”, incentivando os homens com mais de 50 anos, assim como ele, a cuidarem de sua saúde e fazerem o exame de toque para detectar câncer de próstata.

“Tenho a preocupação com as letras, que ela sejam consistentes. Trabalho com músicas de bons compositores, como Raymundo Asfora, Orlando Sérgio, Palmeira Guimarães e Zé Alves Sobrinho, alguns dos melhores compositores de forró da década de 1950. Também botei melodia em muitas poesias”, elenca Biliu de Campina.

Apesar de criticar as desvirtuações do que é o forró de verdade, em sua opinião, ele também se empolga com alguns jovens. “Tem muita gente forrozeira nova boa demais, como a Eloísa Olinto, a Sandra Belê, em Pernambuco tem o Silvério Pessoa, Maciel Melo, geração de alunos de Jackson, de Gonzaga, de Marinês, Robertinho, Antônio Barros. Têm compromisso com o nosso forró de verdade. Essa história de ‘chupa que é de uva’, ‘bota o palito, tira o palitó’, ‘beber, cair e levantar’, isso não é tema de forró, forró é outra coisa. Forró é pra quem tem capacidade poética, respaldados nos rabequeiros, nos violeiros, nas cabaçagens do interior”, completa.

Abertura tem 4 shows

juninas, Biliu afirma que não acredita nisso. “Isso nunca vai acabar, até o americano curte. Vamos acabar com essa história de música regional, isso é um termo que as gravadores e os produtores de plantão criaram para tirar a gente do tempo. A misturada não é ruim, não, só é preciso aprender a separar e colocar cada coisa no seu devido lugar. Não sou contra os outros, sou a favor de preservarmos nossas tradições. Não aquela coisa forçada, a tradição que permanece naturalmente”, declara.

Além de Biliu, outras atrações estão confirmadas para o show inaugural da abertura do São João. A cantora amazonense Marcia Felipe substitui a dupla de irmãs Simone & Simaria, “As Coleguinhas”. Além dela, também se apresentam Jairo Madruga e Flávio José. O evento acontece até o dia 3 de julho, no Parque do Povo.

O disco mais recente de Flávio José é Toque o Pé, de 2015. Nele, o cantor – sempre um intérprete de mão cheia – ataca músicas como “Forrobodó” (Dino Braia e Júlio Moura), “Sem querer olhar pra trás” (Ajalmar Maia) e “Vou embora pro sertão” (Dejinha de Monteiro). Depois de Campina, ele toca em Aracaju (dia 11) e Salvador (dia 12).

Márcia Felipe, por sua vez, era a companheira de Wesley Safadão no grupo Garota Safada e agora segue também em sua carreira solo.

Biliu de Campina, Jairo Madruga, Flávio José, Marcia Fellipe

Amanhã, às 20h. No Parque do Povo (R. Sebastião Donato, Centro, Campina Grande).

Entrada franca

 

Leia Mais

Relacionadas