terça, 21 de maio de 2019
Ano Novo
Compartilhar:

Ogum vai reger 2019; veja as previsões para o ano novo

Lucilene Meireles / 30 de dezembro de 2018
Foto: Assuero Lima
O ano de 2019 será marcado pela violência, escândalos, catástrofes naturais e perdas de famosos. As mensagens dos orixás reveladas pelos búzios do Babalorixá e Guardião da Jurema Sagrada, Pai Beto, mostram que as previsões são preocupantes em diversos setores. A segurança, porém, especialmente na Paraíba, é um dos aspectos que provoca mais apreensão. “Vai haver banho de sangue”, sentenciou.

Pai Beto afirmou que o Estado e o País passarão por momentos de transformações, que envolve mudanças de leis. Também haverá alterações no comportamento dos fenômenos naturais.

“E vai haver banho de sangue, sim, porque o povo não vai suportar certas mudanças previstas para o ano que vem. Vai haver reação a muita coisa que já existe, que está impregnada pela nossa sociedade. Não é nada tão fácil. É um ano de mudança, que pode ser positivo para muita gente, mas também vai vir a negatividade”, resumiu.

O ano de 2018, conforme Pai Beto, foi regido por Xangô, o orixá da justiça. “Para o ano que está terminando, a previsão era de muitos escândalos e corrupções que seriam desvendados e desmascarados. E houve mesmo. Xangô, que governou o ano, está deixando 2018 e deixa Ogum como orixá para reger 2019. Ele é o orixá dos caminhos, o executor”, disse o Babalorixá.



"Ao longo do ano, Xangô tirou a máscara, escandalizou, tirou falso moralismo de muita gente, tirou a dignidade, mostrou ao povo brasileiro e ao mundo o que os líderes podem pensar e fazer com um simples ato. Agora, vem Ogum, que é o executor". Pai Beto. Babalorixá e Guardião da Jurema Sagrada





A previsão dos búzios aponta que os números da violência na Paraíba vão aumentar em 2019. É o que afirma Pai Beto. “A vida está banalizada. Se mata por qualquer coisa e, o que a Paraíba e o Brasil precisam é reeducar o povo. Tem que haver investimento na educação e na segurança pública, na prevenção”.

“O crime organizado está mais organizado do que a própria polícia. Se o crime organizado é maior do que a força policial, como é que o crime vai diminuir? Não tem como. Nós esperamos, com fé em Ogum, que é o senhor da espada da boa guerra, que diminua, que cesse. É mais sangue no chão do que chuva e a maioria de pele da cor negra”.

Pai Beto acrescentou que não há como prever uma redução dos crimes se não houver um forte investimento na segurança pública. Para ele, o maior escândalo, a maior fragilidade é no banho de sangue, na violência.

Epidemias ameaçam



A saúde é um dos setores mais problemáticos no País e, na Paraíba, não é diferente. Quem pode pagar, tem a opção dos planos de saúde. Porém, quem não tem condições, tem que se submeter a todas as dificuldades do Sistema Único de Saúde (SUS). Porém, apesar desta realidade, há uma luz no fim do túnel e a possibilidade de melhora em 2019.

“Vai haver um investimento bom na saúde em nível nacional e paraibano. O orixá Omulu, responsável pela cura e pela doença, enviou um recado a Exu, que quer dizer universo, comunicação. Haverá investimento, mas quanto mais se investir mais se torna pouco. A saúde tem que estar, a todo momento, se modernizando, com investimentos”, disse.

Além disso, conforme Pai Beto, é preciso ter cuidado com as epidemias. Apesar de não dizer qual seria, as previsões apontam que o mosquito pode ser o transmissor. “Todo cuidado é pouco”.

Educação. “Vai haver avanço porque vai haver investimento, mas os adolescentes precisam ser reeducados e entender que o colégio é a base fundamental de tudo. A educação, por mais que se fale que está boa, não está legal. Na Paraíba, os colégios pagam mal e isso traz indignidade, indisposição, e a violência já alcançou as salas de aula. Hoje se passa aluno pela frequência e não mais pelas notas. “O que estamos fazendo com isso tudo? Projetando futuras múmias”, afirmou Pai Beto.

O estudo, segundo ele, é a maior arma do povo brasileiro. Conforme o Babalorixá, as pessoas que não conseguem compreender o que lhe é passado em sala de aula não têm condições de serem cidadãos inteligentes, que possam se formar. “E mesmo que não se forme, que consiga ter intelectualidade, entendimento ou, pelo menos, educação, saber discernir entre o que é certo e errado”, afirmou.

“O processo de educação é uma faca de dois gumes, porque hoje a maioria das pessoas quer transferir a responsabilidade de educar para os professores. Na realidade, esse processo começa em casa. Eu faço um apelo aos jovens de hoje para que estudem, porque essa é a única arma que eles têm para ter uma boa incursão e aceitação social e fugir da marginalidade”.

Três caminhos prioritários





A Paraíba não vai sofrer muito no novo governo, mas o futuro gestor, de acordo com as previsões do pai Beto, deve ter cuidado e observar de perto como está o povo, saber o que pode fazer para melhorar. Três pilares devem ter maior atenção: saúde, segurança e educação.

Ele alertou que o paraibano ainda vai se deparar com situações, com escândalos que vão envolver personagens famosos que ninguém espera que aconteça. Pai Beto afirmou que, por conta desses acontecimentos, vai haver muito trabalho para a Polícia Federal. “Ogum é o executor e ninguém vai passar despercebido em 2019”, avisou.



"Se fala muito de fé, e fé é acreditar naquilo que a gente não vê. Eu acredito, diante de todas as dificuldades que existem hoje, que nós temos como melhorar".





Esportes. As situações que mancharam o cenário esportivo paraibano em 2018 ainda não chegaram ao fim. Os búzios mostram que a novela continua porque não envolve apenas o interesse pelo esporte, mas inclui situações mais críticas, entre elas, bens materiais. “Mesmo a gente tendo um bom caminho no esporte, existe a fragilidade que é a falta de atenção das pessoas que poderiam apoiar melhor os nossos atletas. Vai continuar essa fragilidade, sim. Ainda podem vir muitas tormentas”, afirmou.

Perdas na cultura. O Brasil perderá pessoas importantes, que têm a vida bastante reconhecida. “Isso não é agora, mas lentamente vai acontecendo. Não serão tragédias, mas é o destino. Coisas irão acontecer que vão abrir os olhos da humanidade. Na Paraíba, também vamos ter perda de pessoas que já deram uma grande contribuição na vida cultural”, previu pai Beto.

O ano de 2019 também deve registrar tragédias em nível mundial. A Paraíba terá casos isolados que vão chamar a atenção. No segundo semestre, Ogum recebe o apoio das energias de Oxalá, que é o orixá da consciência, da tranquilidade, da paz, do amor.

Boas energias dependem de cada um



As energias, para 2019, por incrível que pareça e mesmo diante de tudo que foi visto através dos búzios, são positivas. O que vai acontecer no novo ano é o que já vem acontecendo em 2018. “Porém, se não for bem trabalhado e bem assistido, a tendência é piorar”, destacou.

Para pai Beto, existem duas maneiras de viver: bem e ruim. Quando se fala em viver bem, não se trata de ser rico, ter milhões, apartamento, morar em beira de praia. “Viver bem é acordar cedo, trabalhar, ser digno, rezar de acordo com sua religião, agradecer a Deus por estar vivo, por sua família, deixar a vida do vizinho em paz, ter menos inveja, procurar viver seu dia como se fosso o último”, disse.

“Quer viver ruim? Acorde tarde, vá roubar, vá pegar o que é do outro, vá falar da vida dos outros, não vá trabalhar, fique se lastimando. Existe uma coisa que as pessoas precisam compreender é que a língua é o ímã da vida, do corpo”.

Para pai Beto, se uma pessoa fala e age muito negativo, tem tudo para viver dentro da negatividade. “Tem suas mãos em estado de perfeição. Por que não as usa para trabalhar? Tem sua mente em forma de perfeição. Por que não procura pensar e agir melhor? Vai pensar em fazer o errado? Vai usar sua mão sagrada para mexer no que não deve? Isso é viver ruim. Ter uma boca tão linda, tão pintada, arrumada, gasta dinheiro no dentista para estar falando, amaldiçoando, falando da vida dos outros, fofocando. Isso é viver ruim”, analisou.



“O ser humano escolhe como vai viver. É a lei do retorno, a consciência humana. A língua é ímã da vida e é também o chicote do corpo e da alma. É falar menos e agir mais”.



Relacionadas