terça, 22 de outubro de 2019
Ano Novo
Compartilhar:

Metas para o novo ano não podem esbarrar em obstáculos

Beto Pessoa / 29 de dezembro de 2018
Foto: Assuero Lima
Os últimos dias do ano costumam ser reservados às reflexões do que passou, mas também de traçar planos e metas para o que está por vir. Realizações pessoais, desejos profissionais, vontade de mudança de vida: apesar da época ser propícia para a busca de melhorias, é preciso ter cuidado para que estas estratégias não despertem obstáculos que impeçam o indivíduo de seguir caminhando em busca de novos tempos.

A psicóloga clínica Daniele Azevedo avalia que cada pessoa reage de uma forma distinta àquilo que planejou para o ano que se aproxima, mas defende que metas e planos não podem ser pontuais de uma data, mas sim encarados como objetivos flexíveis, que, se não executados em determinado período, poderão ser alcançados mais a frente. “Acho que o mais importante é que a gente pense que metas são traçadas todos os dias, em busca do melhor para si. Se ontem não consegui, hoje posso começar novamente. Não deve ser uma meta traçada só no final do ano. Todos os dias são dias de estabelecer metas, tentar cumprir objetivos, construir uma rotina estruturante e saudável para o lar. Todo dia é dia de começar. Não é porque não deu certo agora que você vai ‘chutar o pau’ da barraca e desistir”, disse.

Danilo Lelis, 28 anos, sabe o que é isso. Ele alcançou em 2018 o sonho que vinha traçando desde 2016 ao lado da sua noiva, Gardênia Queiroga. Juntos abriram uma cafeteria no bairro de Tambaú, em João Pessoa, a Empório Mineiro Cheirin Bão.

“A gente tinha o plano de abrir um negócio desde 2016. Vínhamos conversando sobre isso. Começamos a juntar dinheiro desde lá, reduzindo os gastos com as contas dentro de casa, reduzindo o lazer, para economizar dinheiro e investir no nosso futuro. Quando vimos a proposta da cafeteria percebemos que ali era uma possibilidade de negócio e que combinava muito com o que a gente gostava”, disse Danilo Lelis.

O microempresário já traça planos para o ano que se aproxima e acredita que é importante traçar metas que tenham não somente afinidade com quem as planeja, mas também reais chances de serem executadas. “Resolvemos investir e vimos que tinha um mercado muito legal em João Pessoa. Tem muita gente apaixonada por café aqui e foi uma decisão que gostamos muito de ter tomado. Foi um sentimento muito bom, de primeira etapa de dever cumprida. Quando olho para frente vejo um horizonte de muito trabalho e de muito a se fazer. Para o próximo ano queremos estabilizar e já estamos pensando no final de 2019 abrir algum outro negócio, não necessariamente um café”, disse Danilo Lelis.



Ganhos e perdas são normais



No planejamento do ano que está por vir, o mais importante é saber que na trajetória da vida há ganhos e perdas, conquistas e frustrações. Viver é estar em meio ao imprevisível e está tudo bem que assim o seja, reforça a psicóloga Daniele Azevedo. “O mais importante é como se enfrenta a situação, entender que todos os dias são oportunidades de recomeço. Quando a gente acorda tem a oportunidade de recomeçar e buscar o melhor para si”, disse Daniele.



"Cada pessoa tem uma maneira diferente de internalizar o sentimento. Posso ficar feliz pela felicidade alheia, honrado em ver alguém vivendo determinados momentos, mas isso também pode atrapalhar minha rotina, a pessoa está tendo crise de ansiedades, porque passa a viver a vida do outro. Esse julgamento é muito perigoso e quando acontece é indicado buscar terapia".







Começo e recomeço. A jornalista e futura mestranda Lívia Maria, 24 anos, não desistiu quando os planos não saíram como pensou. Há dois anos tentava entrar no mestrado em Comunicação, até que em 2018 conseguiu. “Era para ter tentado o mestrado em 2016, assim que me formei, mas não deu certo. Ano passado tentei e não passei. Este ano foi a terceira vez e deu certo! Eu abdiquei de muitas coisas para isso dar certo, passei agosto e outubro todo estudando. Também não trabalhei, porque isso ia consumir meu tempo”, disse.

Ela destaca que, além de abdicar de empregos e parte da vida social, deixou de conquistar outras metas em detrimento da conquista do mestrado. “Estava super focada em estudar, acabei deixando muita coisa de lado. Tive que priorizar. Uma das minhas metas deste ano era ter perdido o peso que ganhei no fim de 2017, por causa de crises de ansiedade e depressão, mas não consegui. Sinto que este ano, apesar de ter conseguido o mestrado, me descuidei da saúde mental e da minha alimentação também. Estou tentando recuperar o tempo perdido para 2019”, disse Lívia Maria.

A jovem acredita que, com a virtualização da vida alheia, onde todos postam suas conquistas nas redes sociais, aumenta a pressão para aqueles que estão em busca dos próprios sonhos. “Acho que é natural do ser humano se comparar e estabelecer algumas metas pessoais baseada nas conquistas dos outros, mas as redes sociais amplificam isso de uma maneira exacerbada. Toda pequena conquista é amplificada, se torna um super acontecimento, a gente acaba vendo essas coisas dos outros e se comparando de forma muito mais rigorosa. A gente se torna mais duro consigo mesmo porque só vê o lado bom da vida do outro e quando olhamos os problemas da nossa vida achamos que estamos fazendo algo errado ou insuficiente”.

Relacionadas