sexta, 22 de janeiro de 2021

Cidades
Compartilhar:

Alunos da UFPB sofrem com falta de acessibilidade

Beto Pessoa / 17 de novembro de 2017
Foto: Nalva Figueiredo
Pessoas com deficiência física têm denunciado a falta de acessibilidade na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Na última segunda-feira, um cadeirante fraturou o nariz e quebrou vários dentes após sofrer uma queda numa área sem sinalização, problema comum naquela instituição, como denunciam os estudantes.

A cadeira de rodas de Junior Rokay, 21 anos, tombou após descer um degrau. Ele não percebeu a existência do obstáculo, porque não havia iluminação adequada no corredor e nem sinalização para cadeirantes. “Todos os dias vejo desrespeito na universidade, pois não oferecem acessibilidade por completo. Caí da cadeira de roda por conta da existência de um degrau que não tinha razão de existir e não sinalizaram a área para alertar o perigo”, disse o jovem. Os problemas, de acordo com Junior Rokay, são diversos e as pessoas que têm algum tipo de deficiência os têm enfrentado cotidianamente. O jovem explica que além das marcas no corpo, a queda sofrida deixou lesões que demoram para serem sanadas. “Estou tentando não entrar em depressão, tentando fazer com que a raiva diminua. Amo tirar fotos, amava o meu rosto, meus dentes. Agora, não consigo olhar no espelho para me ver. Vou me recuperar. E quando esse dia chegar, vou estar forte para lutar. Isso não pode continuar assim”.

Na Internet

Nas redes sociais, na internet, do Grupo de Acessibilidade e Denúncias (GADE) da UFPB, organização que monitora e cobra as políticas públicas para pessoas com deficiência na instituição são várias as denúncias mostrando a falta de mobilidade para pessoas com deficiência que estudam ou freqüentam a UFPB. As imagens mostram veículos estacionados em frente às rampas de acesso para cadeirantes e até mesmo ocupando as vagas de estacionamento destinadas aos deficientes.

Sem contato

A reportagem procurou a coordenação do Comitê de Inclusão e Acessibilidade da UFPB, por telefone e por email, mas até o fechamento desta edição não obteve sucesso nos contatos.

Relacionadas